Serra e Haddad voltam a duelar em torno da saúde

Organizações Sociais de Saúde (OSS) monopolizaram o “debate” entre tucano e petista na capital

Brasil Econômico - Rafael Abrantes |

Brasil Econômico

Diferenças sobre a gestão da saúde pública municipal elevaram os ânimos dos dois candidatos a prefeito de São Paulo, José Serra (PSDB) e Fernando Haddad (PT), durante debate realizado ontem pela ONG Rede Nossa São Paulo, no centro da capital.

O estopim para as críticas entre o tucano e o petista foi a manutenção da parceria da Prefeitura com as Organizações Sociais de Saúde (OSS) na cidade. Questionado sobre suas propostas para a área, Serra voltou a acusar Haddad de querer encerrar a cooperação com as entidades filantrópicas nos atendimentos em hospitais públicos e privados. Segundo o tucano, há uma posição partidária do PT para eliminar as parcerias. “Isso está escrito no programa de governo dele”.

Veja o especial do iG sobre as eleições 2012

Leia também:  Saúde domina programas de Haddad e Serra no rádio

Futura Press
Fernando Haddad (PT) e José Serra (PSDB) no estúdio da TV Bandeirantes para o primeiro debate do 2ºturno de São Paulo


“Nunca dei uma entrevista nos últimos dois meses em que afirmei que encerraria as parcerias com as OSS”, respondeu Haddad. “Serra continua seguindo a estratégia da desinformação sobre o eleitor”, completou o petista. Haddad classificou a área como o “problema mais crítico” que enfrentará na prefeitura, caso seja eleito.

Saiba mais:  Kassab articula controle de base governista na Câmara de São Paulo

Leia também:  Na TV, Haddad exibe padrinhos e Serra defende parcerias na saúde

“Há parcerias com OSS que vão muito bem e outras que estão sendo investigadas pelo Tribunal de Contas do Município (TCM), que exigem mais transparência”, ponderou. O petista criticou o projeto de lei estadual que prevê a privatização de 25% dos leitos da rede pública, em discussão no Legislativo, além de acusar o atual prefeito Gilberto Kassab (PSD) de sonegar informações à população sobre a situação da saúde na cidade. “Isso é estar na contramão da modernidade, não a fiscalização do TCM”.

Ainda na mesa de debate, o candidato do PT se comprometeu em construir três novos hospitais na cidade nos próximos quatro anos, lembrando da promessa de Kassab — não cumprida — de entregar igual quantidade de hospitais até o fim do seu mandato. Segundo aliados, o tema saúde será um dos mais explorados por Serra nos dois debates televisivos — SBT e Globo — confirmados esta semana antes da votação em 2º turno no próximo domingo (28).

Leia:  Serra diz que PT tem 'ideias alucinadas e devastará a saúde de São Paulo

“O PT ignora tudo que é feito de bom na área da saúde”. Além da saúde, os dois candidatos discutiram propostas para as áreas de educação, habitação, transportes, cultura, esporte, meio ambiente e segurança, mas em horários diferentes e sem dividir a mesa de debate.

Sobre segurança, Haddad definiu a situação na cidade como uma “piada”, sendo fortemente aplaudido pela plateia. Ele defendeu a criação da polícia comunitária, enquanto Serra defendeu resultados da Operação Delegada, implementada pela atual gestão, e a parceria com o governo estadual.

“Já a contribuição do governo federal é sempre pequena”, afirmou. O tucano respondeu ao discurso do ex-presidente Lula , durante comício em Diadema (SP) no último fim de semana, quando defendendeu a “experiência” do candidato a prefeito Mário Reali (PT) contra o “novo”. “Sem dúvida, ele sublinhou a importância que é a experiência, só que ele não faz isso para São Paulo, porque isso me favorece”.

Leia mais notícias sobre Política e Economia no site do Brasil Econômico

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG