Em Salvador, TRE suspende direito de resposta de prefeito em programa do PT

Em vídeo, João Henrique Carneiro (PP) se defendia de críticas do PT, que o acusou de encurtar o metrô na capital baiana

João Paulo Gondim - iG Bahia | - Atualizada às

O Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA) suspendeu o direito de resposta concedido ao prefeito de Salvador, João Henrique Carneiro (PP), no qual ele diz não ter responsabilidade pelo encurtamento do metrô de Salvador, de doze para seis quilômetros, como afirmou o candidato do PT à prefeitura, Nelson Pelegrino .

Salvador: Dilma ataca ACM Neto e diz que Pelegrino joga em seu time

Propaganda petista afirmava que João Henrique e o ex-prefeito Antônio Imbassahy (PSDB), que ge (1997-2004), "aliados de ACM Neto [do DEM, oponente de Pelegrino neste segundo turno] gastaram mais de um bilhão [de reais], não botaram o metrô para funcionar e encurtaram a linha".

Nesta segunda-feira, o desembargador Carlos Alberto Dultra Cintra acatou o recurso do PT e suspendeu a decisão proferida, no último domingo (21), pelo juiz da segunda zona eleitoral, João Batista Alcântara Filho, de que o prefeito poderia utilizar parte do programa eleitoral de Pelegrino para negar que tenha diminuído a extensão da primeira etapa do metrô, que, no projeto original, liga os bairros da Lapa a Cajazeiras.

Pesquisa: ACM Neto tem 47% e Nelson Pelegrino, 39%, diz Ibope em Salvador

Imbassahy, hoje deputado federal, afirmou que vai processar criminalmente Pelegrino.

A suspensão do desembargador só foi publicada às 13 horas desta segunda, após o vídeo de um minuto de duração, que segue no Youtube, ter ido ao ar no horário eleitoral vespertino. Estavam previstas duas inserções para esta segunda e outras duas para a próxima terça (23).

Na inserção, João Henrique diz que o metrô é obra federal que estava parada quando ele assumiu o cargo, em 2005. De acordo com o pepista, ele conseguiu junto ao então presidente Luiz Inácio Lula da Silva o reinício das obras e assegura que estão completas, entre a estação da Lapa e o acesso norte. A ideia era que o metrô seguisse para a estação Pirajá. No entanto, acrescenta o prefeito, o governo federal foi o responsável pelo corte de metade do traçado fazendo com que a estação final fosse a rótula do abacaxi.

"O PT, que fez parte do meu governo durante três anos e meio, sabe disto, mas continua mentindo na tentativa de desgastar a minha imagem. Tenho tentado inaugurar o metrô, mas a verdade é que eles não deixam", diz o prefeito, que vai além. '[o PT faz] um jogo egoísta e mesquinho".

Em nota, o prefeito lamentou a decisão da justiça eleitoral. "Nunca vi em toda a minha vida pública cassação de direito de resposta. O que fizemos foi tão somente trazer a público a verdade que todos na Bahia conhecem: foi o PT, em 2005, quem reduziu de 12 para seis quilômetros a primeira etapa do metrô, numa decisão do governo federal".

O advogado de João Henrique neste caso, Ademir Ismerim, que também já advogou para ACM Neto (DEM) em outras ações, vai entrar com mandado de segurança contra essa decisão do desembargador. De acordo com a Secretaria de Comunicação do município, "o prefeito João Henrique solicitou mais de 40 pedidos de respostas ao TRE por conta de acusações pessoais que lhe foram dirigidas pelo candidato do PT. O primeiro que a ser concedida foi justamente o que acabou sendo cassado".

A implantação do Metrô em Salvador começou em 1999, mais ainda não terminou. O desembargador Dultra Cintra e Nelson Pelegrino não foram localizados pelo iG.

    Leia tudo sobre: eleições2012eleições2012bahia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG