PSB aposta em mote de 'candidato flex' para vencer eleição em Campinas

Jonas Donizete, que enfrenta adversário do PT, se apresenta como o candidato que terá boas relações com petistas no governo federal e com tucanos no governo estadual

Agência Estado |

Agência Estado

O PSB assumiu em Campinas neste segundo turno o discurso de que a prefeitura da cidade - maior colégio eleitoral do interior de São Paulo, com 785 mil votantes - será a vitrine do "modo de governar" do partido no Estado, que é dominado pelo PSDB e foi berço do PT.

Debate na TV:  Aliados incômodos pautam ataques entre Serra e Haddad

Especial: Veja a cobertura completa do iG sobre as eleições 2012

Apresentando-se como candidato de um governo "flex" para Campinas - que terá boas relações com petistas no governo federal, como com os tucanos no governo estadual -, o candidato Jonas Donizette (PSB) reforçou as citações à legenda nos programas eleitorais e nos discursos como arma para enfrentar o petista Márcio Pochmann. O PSB foi o partido que teve o maior crescimento proporcional nas urnas nas eleições de 2012.

"Campinas é cidade estratégica para o PSB. Nós, que já temos governos aprovados em outras partes do País, queremos ter a gestão de Jonas em Campinas como vitrine da nossa capacidade de fazer governos focados no interesse do povo, principalmente dos que mais precisam", afirmou o presidente nacional do PSB e governador de Pernambucano, Eduardo Campos, durante visita à cidade na última terça-feira (16).

Primeiro turno:  PT de Campinas barra uso de imagem de Dilma por PSB

O mote partidário invadiu também discursos, entrevistas e a propaganda eleitoral de Jonas no rádio e na TV.

‘Total flex’

No Estado, Jonas é aliado e discípulo do PSDB do governador Geraldo Alckmin. A legenda tucana tem o vice na chapa, Henrique Teixeira. Alckmin esteve na cidade no primeiro e no segundo turnos e gravou para o programa eleitoral do candidato.

Deputado federal pelo PSB paulista, Jonas também é aliado no governo federal da presidenta Dilma Rousseff. Desde o primeiro turno, Jonas explora essa aliança como garantia de que além do apoio do PSDB em São Paulo, terá portas abertas entre os petistas no governo federal.

Justiça

Durante toda a campanha, usou imagens de Dilma e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O PT foi à Justiça para tentar impedir o uso da imagem dos petistas, mas teve sucesso. Como estratégia, a campanha de Pochmann acabou escalando Lula para afirmar em um depoimento gravado de que ele e a presidente Dilma "não tinham outra candidato" na cidade, a não ser o petista. 

    Leia tudo sobre: eleições2012campinas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG