Debate em Fortaleza vira arena para comparações entre governo e prefeitura

Elmano de Freitas (PT) saiu da defensiva e partiu para o ataque contra a gestão do governador Cid Gomes, padrinho político de Roberto Cláudio (PSB)

Daniel Aderaldo - iG Ceará |

O primeiro debate no segundo turno em Fortaleza disputado por Elmano de Freitas (PT) e Roberto Cláudio (PSB) expôs a cisão local entre os dois partidos recém-separados e virou arena para comparações entre as gestões da prefeita Luizianne Lins (PT) e do governador Cid Gomes (PSB). O debate foi promovido pela RedeTV! na noite de quarta-feira (17).

Leia também:  Em Fortaleza, DEM declara apoio a PSB e petista fica isolado

Propaganda:  Em Fortaleza, PT usa imagem de candidato derrotado do PDT à revelia

Roberto Cláudio começou criticando a atenção dada pela prefeita petista à área da saúde ao afirmar que os 92 postos da capital não atendem de forma satisfatória as demandas da população, principalmente nos bairros da periferia.

“Fortaleza tem hoje a quinta pior saúde entre as capitais”, arrematou, referindo-se a uma pesquisa do Ministério da Saúde que mede o acesso do usuário e a qualidade dos serviços da rede pública.

Em resposta, Elmano acusou o candidato socialista de desconhecer a realidade de Fortaleza em 2004, antes do início da gestão petista, e por isso não é capaz de reconhecer os avanços proporcionados pela atual administração.

Em seguida, o petista partiu para o contra-ataque tirando o foco da Prefeitura e mirando a administração de Cid Gomes, padrinho político do candidato socialista. "O governo do Estado fez Upas (unidades de pronto-atendimento), mas não disse que a Prefeitura cedeu terrenos no valor de R$ 10 milhões", ressaltou o petista. 

Saiba mais: Terceiro lugar em Fortaleza, Férrer pede anulação do 1º turno

Cenário: Segundo turno em Fortaleza expõe antagonismo local entre PT e PSB

Ao tratar de educação, as posições se inverteram. Elmano lembrou que Cid Gomes foi um dos governadores a ingressar com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) questionando a constitucionalidade da lei do piso nacional do magistério. “O senhor é contra ou a favor a posição do governador?”, questionou.

Cláudio não respondeu a pergunta e apontou dados do Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica do Ceará (Spaece), segundo o qual a rede pública de Fortaleza tem o quarto pior desempenho do Ceará e acusou ainda a prefeitura de usar os diretores de escolas como “cabos-eleitorais”.

Na réplica, Elmano prosseguiu na ofensiva e disse o socialista mentia quando informa na propaganda eleitoral que o governo do Estado fará uma creche para cada uma que Cláudio construir, caso eleito. “O governador acabou de apresentar o orçamento e não tem orçamento suficiente para creches”.

Segundo o petista, o orçamento de R$ 4 milhões para a construção de creches em toda a região metropolitana é suficiente para construir somente quatro equipamentos. Na propaganda, Cláudio promete 80 e uma contrapartida igual por parte do Estado.

O petista também recriminou a administração estadual por promover um show com o tenor Plácido Domingo ao custo de mais de R$ 3 milhões para um público formado por dois mil convidados na inauguração do novo Centro de Eventos do Ceará.

“A festa foi feita para divulgadores para que o Centro de Eventos fique como está agora com a agenda lotada”, justificou candidato do governador. Ele argumentou ainda que o novo equipamento gera empregos “para as pessoas mais simples que precisam de oportunidade”.

Ex-aliados

Apoiador do PT em Fortaleza nos últimos oito anos, o PSB rompeu com o partido e oficializou a candidatura do presidente da Assembleia Legislativa do Ceará, Roberto Cláudio, após o ex-secretário de Educação de Fortaleza Elmano de Freitas ser escolhido pela executiva municipal do PT para disputar a sucessão, com apoio de Luizianne.

Embora Cid Gomes tenha declarado publicamente diversas vezes a disposição de manter a aliança, puxados por seu irmão mais velho, o ex-ministro Ciro Gomes, os socialistas decidiram lançar candidatura própria, alegando que o nome apresentado pelos petistas foi, na realidade, imposto pela prefeita.

Ao longo da campanha, os dois candidatos dos partidos recém-separados evitaram embates agressivos e a estratégia conduziu os dois rumo ao segundo turno.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG