Liminar concede liberdade a Cachoeira, mas bicheiro fica preso por outros crimes

Decisão do desembargador Tourinho Neto permite que contraventor aguarde em liberdade legitimação de operação da PF; denúncias da Operação Saint-Michel o mantêm preso

iG São Paulo | - Atualizada às

O contraventor Carlos Augusto Ramos, o  Carlinhos Cachoeira , obteve decisão liminar que determina sua imediata libertação da prisão. A decisão foi tomada pelo desembargador Tourinho Neto, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), que concedeu ontem (15) a liminar. Ele tomou a decisão monocrática determinando a “imediata soltura do réu, se por outro motivo não estiver preso”. 

Agência Estado
O contraventor Carlinhos Cachoeira é réu em investigação de fraudes no sistema de bilhetagem do transporte público de Brasília

Como há mais um mandado de prisão contra ele, expedido pela Justiça de Brasília, no processo da Operação Saint-Michel, que apura fraude em licitações na capital federal, Cachoeira permanecerá na Papuda.

Leia também:  Esquema de Carlinhos Cachoeira repassou R$ 37 milhões a ‘laranja’

Leréia:  Deputado tucano confirma amizade com contraventor na CPI do Cachoeira

O empresário está preso preventivamente há mais de sete meses, no Centro de Detenção Provisória do Distrito Federal, a Penitenciária da Papuda. Em caso de recurso, a medida será analisada pela Terceira Turma do TRF1, composta por três magistrados. As reuniões ocorrem às segundas e terças-feiras.

Cachoeira foi preso por decisão da 11ª Vara Federal de Goiânia devido ao seu envolvimento com uma série de irregularidades identificadas pela Operação Monte Carlo, da Polícia Federal (PF). No mês passado, a defesa pediu o relaxamento da prisão, mas o habeas corpus foi negado pelo juiz Daniel Guerra Alves, no último dia 28.

Calendário: Com 99 pedidos de quebra de sigilo na fila, CPI está perto do fim

A ação judicial ainda está em fase de instrução na primeira instância. A pedido da defesa, o desembargador Tourinho Neto determinou que as operadoras telefônicas forneçam as senhas que deram aos policiais federais e informem quando foram dadas, assim como quando e quem as acessou.

A medida, segundo o TRF1, é necessária para definir a legalidade e legitimidade das interceptações telefônicas feitas pela PF. O cumprimento dessa diligência ainda não ocorreu. Tourinho Neto disse ser “inadmissível que a liberdade do paciente esteja nas mãos das operadoras”.

Com Agência Brasil

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG