Após crescer na eleição, PSB estuda lançar candidato à presidência da Câmara

Embalados pelo número de prefeituras conquistadas nesta eleição, setores do partido dizem trabalhar para atrair apoio de legendas como PSD, PR, PTB, PSDB, PV, DEM e PC do B

iG Brasília |

Animados com o crescimento de 40% no número de prefeitos do partido, setores do PSB falam em lançar candidato à presidência da Câmara dos Deputados no próximo ano. A legenda tem 31 deputados e espera atrair apoio na Câmara do PSD, PR, PTB, PSDB, PV, DEM e PCdoB.

A proposta não chegou a ser discutida na reunião de ontem do PSB que se fixou mais em avaliar o quadro do segundo turno, seguindo uma orientação do presidente da legenda, governador Eduardo Campos. Ele pediu "foco" nas eleições no início da reunião. No entanto, quadros do PSB falam abertamente sobre a ideia.

Especial: Confira a cobertura completa do iG sobre as eleições 2012

O deputado Júlio Delgado (MG) está em campanha. "Estamos conversando", diz o deputado. "Não estamos parados. Há um foco no segundo turno das eleições, mas não estamos parados em relação a sucessão na Câmara", disse o deputado. A ideia é também compartilhada pelo deputado federal Márcio França (SP).

Agência Câmara
Deputado Júlio Delgado está em campanha para entrar na disputa pela Presidência da Câmara

A iniciativa de lançar um candidato à Presidência da Câmara se contrapõe ao acordo firmado em 2010 entre os maiores partidos da Câmara, PT e PMDB, que prevê para o próximo ano a eleição de um peemedebista. Para a posição, o PMDB indica o nome de Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN).

A presidência da Câmara, para setores do PSB, é um componente importante para os planos do partido para 2014. "Aquilo lá é um poder de fato. É importante, mas queremos que se vença com propostas. A de fazer a reforma política, por exemplo", avaliou a deputada Luiza Erundina (SP).

O crescimento do partido ainda lança luz sobre o projeto político de fazer do Eduardo Campos candidato à Presidência da República. Na opinião do ex-prefeito de Manaus Serafim Corrêa, esse projeto não se configura para 2014. "Ele tem tempo. O projeto dele é para 2018", ponderou.

"O que ficou definido na reunião é que daremos o apoio à presidenta Dilma Rousseff sem nenhuma exigência. Mas não se excluiu nenhuma hipótese" , disse, referindo-se à possibilidade de que o partido pleiteie a vice na chapa de Dilma Rousseff e tenha o apoio do PT em 2018.

O próprio Eduardo Campos vem alardeando os resultados obtidos no primeiro turno das eleições. O partido conquistou 128 prefeituras e dobrou o número de votos. O PSB tinha 308 prefeituras e passou a ter 436. O PSB ainda está na disputa em três capitais – Fortaleza, Cuiabá e Porto Velho. Também está na em plena campanha em cidades importantes como Campinas (SP), Petrópolis (RJ), Uberaba (MG) e Duque de Caxias (RJ).

De acordo com dados do Tribunal Superior Eleitoral, considerando o número de eleitos, o partido está em sexto lugar, atrás do PMDB, PSDB, PT, PSD e PP.

*Com informações de Luciana Lima, iG Brasília

    Leia tudo sobre: eleições2012congresso nacionalpsb

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG