Genoino anuncia saída do governo e diz: 'Uma injustiça monumental foi cometida'

Em carta lida no diretório nacional do partido, ex-presidente do PT diz que o julgamento do mensalão faz parte de uma 'sistemática campanha de ódio'

Ricardo Galhardo - iG São Paulo | - Atualizada às

O ex-presidente do PT José Genoino, condenado pela maioria do Supremo Tribunal Federal (STF) por corrupção ativa , leu, nesta quarta-feira, uma carta na sede do diretório nacional do partido, anunciando que abre mão do seu cargo no governo e que considera o julgamento do mensalão injusto, sem provas e pautado por setores da mídia e adversários políticos de seu partido. Ele, que atualmente é assessor especial do Ministério da Defesa, disse que vai continuar fazendo, democraticamente, o debate junto à sociedade, defendendo sua inocência.

"Retiro-me do governo com a consciência dos inocentes. Não me envergonho de nada. Continuarei a lutar com todas as minhas forças por um Brasil melhor, mais justo e soberano como sempre fiz", disse Genoino.

Leia também:  Núcleo dirigente do PT está fora da política pelo menos até 2024

Genoino ao iG: 'É uma noite escura na condenação de um inocente'

Futura Press
Condenado pelo mensalão, José Genoino anuncia saída de cargo no governo


Leia mais: Julgamento da cúpula do PT por corrupção será concluído nesta quarta

Saiba mais: Para novos líderes do PT, Dirceu errou ao cobrar julgamento no STF

Genoino, o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu e o ex-tesoureiro do partido Delúbio Soares foram condenados pela maioria do STF por corrupção ativa na terça-feira. O ex-presidente do PT foi considerado culpado por sete dos oito ministros que já se pronunciaram, com exceção de Ricardo Lewandowski, revisor do processo, que considerou que Genoino só estava sendo condenado pelo fato de ter sido presidente do PT.

Bastante nervoso e com as mãos trêmulas, o ex-presidente do PT iniciou sua leitura nesta manhã com um verso do Poeminho do Contra , de Mário Quintana, (Eles passarão, eu passarinho) - porém lido de forma diferente: "Eles passarão, eu passarei", disse Genoino.

Veja o especial do iG sobre o julgamento do mensalão

A sessão: Maioria do Supremo condena Dirceu, Delúbio e Genoino por corrupção ativa

"Dizem no Brasil que as decisões do STF não se discutem, apenas são cumpridas. Discordo. Reservo-me no direito de discutir, aberta e democraticamente com todos os cidadãos do meu País a sentença que me foi imposta e que serei obrigado a cumprir. Estou indignado. Uma injustiça monumental foi cometida!", leu o ex-presidente do PT.

Segundo Genoino, a Corte errou e condenou um inocente. "Condenou-me sem provas. Com efeito, baseada na teoria do domínio funcional do fato, que, nessas paragens de teorias mal digeridas, se transformou na tirania da hipótese pré-estabelecida, construiu-se uma acusação escabrosa que pôde prescindir de evidências, testemunhas e provas."

Após decisão: Supremo Tribunal Federal fez 'julgamento de exceção', dizem petistas

Leia também: Oposição reage à condenação de Dirceu no julgamento do mensalão

Assista ao trecho da leitura carta:

Ele disse que o Supremo baseou-se somente na circunstância de ele ter sido presidente do PT e que usaram esse fato para arrasar toda uma vida de sacrifício, dedicada à democracia e ao projeto político do PT. Ele citou também que seu patrimônio pessoal é pequeno, e que o Tribunal não levou em consideração que ele não era o responsável pelas finanças do partido.

"Nesse julgamento, transformaram ficção em realidade. Quanto maior a posição do sujeito na estrutura do poder, maior sua culpa. Portanto, quanto menos provas e evidências contra ele, maior é a determinação de condená-lo. Trata-se de uma brutal inversão de valores básicos da Justiça e de uma criminalização da política".

Carta: 'Vou acatar a decisão, mas não me calarei', afirma Dirceu sobre condenação

De acordo com o ex-presidente do PT, a forma como se deu o julgamento faz parte de uma "campanha de ódio" contra o partido e seu projeto político por parte de setores que estariam incomodados com o avanço do PT. "Esse julgamento ocorre em meio à uma diuturna, sistemática campanha de ódio contra o meu partido e contra um projeto político exitoso, que incomoda setores reacionários incrustados em parcelas dos meios de comunicação, do sistema de Justiça, e das forças políticas que nunca aceitaram a nossa vitória. Como esperar um julgamento sereno num momento em que juízes são pautados por comentaristas políticos? Além de fazer coincidir matematicamente o julgamento com as eleições", afirmou.

Para Genoino, essa "campanha" seria uma tentativa de condenar todo o Partido dos Trabalhadores. "Na realidade, a minha condenação é a tentativa de condenar todo um partido, todo um projeto político, que vem mudando para melhor o Brasil. Sobretudo para os que mais precisam". Segundo leu o ex-presidente do partido, a população é quem vai fazer o julgamento moral do ocorrido. "Eles fracassarão. O julgamento da população sempre nos favorecerá. Pois ela sabe reconhecer os que trabalham por seus justos interesses. Ela também sabe reconhecer a hipocrisia dos moralistas de ocasião."

Entenda: Pena mínima pode livrar Dirceu de prisão em regime fechado

Ao fim da carta, Genoino lembrou que tanto ele quanto outros integrantes do PT participaram da luta contra a ditadura e diz que, apesar do ocorrido, o projeto que eles iniciaram teve sucesso. "Essa é a história dos apaixonados pelo Brasil que decidiram, em plena ditadura, fundar um partido que se propôs a mudar o País, vencendo o medo. E conseguiram. E, para desgosto de alguns, conseguirão. Sempre."

    Leia tudo sobre: mensalãojulgamento do mensalãojosé genoinopt

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG