TSE faz esforço concentrado para julgar casos da Ficha Limpa

Julgamento de candidatos pode mudar resultados das eleições em municípios onde alguns postulantes barrados pela lei tiveram votos suficientes para serem eleitos

Agência Brasil |

Agência Brasil

Agência Brasil
Presidenta do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Carmén Lúcia, ressaltou cidadão como 'autor' da Lei da Ficha Limpa

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) dará prioridade nesta semana ao julgamento de recursos que envolvem candidatos às eleições de 2012 impugnados pela Lei da Ficha Limpa . O tribunal informou que não será possível julgar todos os recursos, mas haverá esforço concentrado para acelerar as decisões. Depois do TSE, os candidatos podem recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Leia também: Presidenta do TSE destaca cidadão como 'autor' da Lei da Ficha Limpa

Série do iG: Ficha Limpa é tema do 1º programa sobre educação política

O julgamento no TSE pode mudar resultados das eleições em municípios onde candidatos barrados pela lei tiveram contagem de votos suficiente para serem eleitos ou para disputar o segundo turno, em 28 de outubro.

A presidenta do TSE, ministra Cármen Lúcia, explica que os candidatos com pendências no Tribunal não devem ter os votos invalidados até que a decisão da Justiça seja definitiva. Estes recursos podem se referir tanto a impugnações baseadas na Lei da Ficha Limpa, quanto a outras irregularidades.

Veja o especial do iG sobre as eleições 2012

No total, foram mais de 6,9 mil processos recebidos pelo tribunal, dos quais cerca de 3,6 mil estão com julgamento pendente. No caso da Lei da Ficha Limpa, há 2.247 recursos no TSE, dos quais 764 foram julgados até o momento.

A Lei da Ficha Limpa, proposta por iniciativa popular, proíbe a candidatura de políticos condenados pela Justiça ou que renunciaram para não enfrentar processo de cassação de mandato.

O objetivo da lei é proteger a probidade administrativa e a moralidade no exercício do mandato. As eleições do último domingo (7) foram as primeiras sob o vigor dessa lei.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG