Dilma vai procurar ministros da base para amenizar atrito no 2º turno da eleição

Presidenta já avisou Michel Temer que vai entrar na campanha em Salvador, apesar de o PMDB ter declarado apoio ao rival ACM Neto

Ricardo Galhardo - iG São Paulo |

A presidenta Dilma Rousseff (PT) vai conversar, até o final desta semana, com todos os ministros e integrantes do primeiro escalão que pertencem a partidos da base aliada, sobre o segundo turno das eleições municipais. Dilma já se reuniu ontem com o vice-presidente, Michel Temer (PMDB), e com o ministro da Pesca, Marcelo Crivella (PRB).

Leia também:  PT resiste a ataques sobre mensalão e reacende força de Lula

Veja o especial do iG sobre as eleições 2012

Nessas conversas, a presidenta tem tratado sobre os quadros locais e as estratégias de campanha nas eleições. Nesta terça-feira, em uma reunião de 21 dos 22 candidatos do PT que estão no segundo turno com a direção nacional do partido, a cúpula petista pediu que os candidatos evitem atritos com os partidos pertencentes à base aliada.

Por outro lado, os candidatos pediram ajuda do partido e do Palácio do Planalto para tentar atrair e melhorar a relação com os aliados, para conseguir apoios no segundo turno.

AE
Presidenta já se reuniu com Temer; PT já pediu a candidatos a prefeito que evitem atritos com partidos da base aliada

Dilma já confirmou que vai participar de pelo menos duas campanhas neste segundo turno: São Paulo, onde ela deve comparecer em dois momentos, e Salvador, que passou a ser considerada prioritária para o PT, em função da derrota de Humberto Costa para Geraldo Júlio, (PSB) no Recife.

Resultado nas urnas: PMDB é o partido que mais elegeu prefeitos em todo o País

A presidenta informou Temer sobre a decisão de ir a Salvador, apesar de o partido do vice, o PMDB, ter declarado apoio a ACM Neto (DEM), adversário de Nelson Pelegrino (PT). O gesto de Dilma foi interpretado como um claro sinal a Geddel Vieira Lima, uma das principais lideranças do PMDB na Bahia.

Ainda em relação à capital baiana, é esperado que o ex-presidente Lula entre no circuito, e converse diretamente com Geddel para tentar convencê-lo a apoiar Pelegrino em vez do seu rival do DEM.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG