Colombiano eleito em Palmas promete doar salário de prefeito

Carlos Amastha doará os R$ 19 mil a entidades sociais; quando candidato, declarou possuir R$ 11 milhões em cotas do shopping que possuía

iG São Paulo |

O empresário colombiano naturalizado brasileiro Carlos Amastha (PP), eleito prefeito de Palmas, anunciou nesta segunda-feira (8)que abrirá mão do salário de R$ 19 mil, que será doado a entidades sociais. "Não preciso de recursos econômicos para os próximos quatro anos", afirmou.

Saiba mais:  Milionário e dono de carros de luxo, prefeito de Palmas fez fortuna no Brasil

Veja o especial do iG sobre as eleições 2012

Ele já começou a transição de governo, em encontro com o prefeito Raul Filho (PT). Para se dedicar totalmente ao cargo, Amastha, presidente do Grupo Skipton, dono do Shopping Capim Dourado, em Palmas, vendeu o empreendimento por R$ 180 milhões.

Assista ao vídeo:

Quando candidato, declarou possuir R$ 11 milhões em cotas do shopping. "As pessoas confundem capital social e cotas com o valor da empresa. Os ativos são bem maiores."

Trajetória

Amastha era o azarão no início da disputa, quando aparecia com 1% das intenções de voto. Sua ascensão refletiu a habilidade em usar o horário eleitoral para emplacar o discurso de que o morador de Palmas será “atendido como cliente” pelos funcionários da prefeitura. Para isso, prometeu implantar um esquema de metas e tarefas para premiar os servidores por “meritocracia”.

Filho de um médico comunista, o portunhol carregado do colombiano radicado no Brasil desde os 22 anos, hoje tem 51 (12 deles em Palmas), é atacado pelos concorrentes, surpresos com o desempenho do candidato do PP – em parte creditado à ex-equipe de publicidade que coordenou a campanha vitoriosa do governador Siqueira Campos (PSDB-TO), em 2010.

O marketing emplacou um estilo de candidato do povo em Amastha, que sempre aparece na televisão vestindo camisa xadrez – longe da imagem do empresário milionário. Sem padrinhos políticos locais, a campanha do colombiano recebeu a adesão de partidos sem candidatura própria na reta final das eleições. Caso do PDT de Tocantins.

Com Agência Estado

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG