Câmara Municipal de Salvador renova metade dos vereadores

Lideranças da Casa, como o atual presidente Pedro Godinho (PMDB), cedem espaço para políticos tradicionais e estrelas ascendentes de oposição ao PT

João Paulo Gondim - iG Bahia |

Em sua próxima legislatura (2013 - 2016), mais da metade da Câmara de Vereadores de Salvador será composta por caras novas. Dos 41 representantes que atualmente cumprem mandato, só 19 conseguiram a reeleição. A partir do próximo ano, a Casa também terá mais duas cadeiras, resultando em um total de 43.

Veja o especial do iG sobre as eleições 2012

Leia todas as notícias sobre as eleições na Bahia

Entre os novos vereadores, destaca-se a presença de Waldir Pires (PT). Ex-governador da Bahia (1987-1989), e ministro dos governos de João Goulart, José Sarney e Luiz Inácio Lula da Silva , Waldir, aos 86 anos, conquistou 13.801 votos e ficou em 6º lugar.

Outro nome respeitado da política baiana é o do ex-prefeito de Salvador (1978-1979) Edvaldo Brito, 75 anos. Líder do PTB na Bahia, ele é o atual vice-prefeito da capital. Com 11.966 votos, terminou na décima posição.

Saiba mais:  Candidato morre vítima de infarto após ser eleito vereador na Bahia

Leia também: DEM confirma vocação de cavalo paraguaio nas disputas em capitais

Uma das surpresas das urnas foi o nome de Hilton Coelho, do PSOL. Escolhido por 16.408 eleitores, foi o segundo mais votado.

Principal líder da greve dos PMs deste ano, motivo de desgaste na campanha a prefeito do petista Nelson Pelegrino , o Soldado Prisco (PSDB) foi o quarto colocado, com 14.820 votos.

As maiores bancadas que renovaram seus nomes na Câmara são do PT (sete vereadores) e do PTN, aliado do candidato do DEM à Prefeitura de Salvador, ACM Neto : seis eleitos, um deles, Carlos Muniz, foi o mais votado da cidade com 16.959. O DEM, que na legislatura vigente não tem representante, agora vai ter três integrantes.

Leia:  Alvo da Ficha Limpa retira candidatura na Bahia e põe irmão gêmeo no lugar

Entre os nomes que ficaram de fora, há o do próprio presidente da Casa, Pedro Godinho. Com 15.622 votos, ele foi prejudicado pelo fato de o seu partido, o PMDB, não ter se coligado na chapa proporcional com nenhum outro partido. Ele estava no sexto mandato.

Figuras cativas como Sandoval Guimarães (PMDB), no quinto mandato, e Gilberto José (PDT), que cumpre a sua sexta legislatura, também não se reelegeram.

O vereador Jorge Jambeiro (PP), que optou por não participar do horário eleitoral, alegando não apoiar Pelegrino, embora seu partido faça parte da base do petista, não conseguiu os votos necessários para iniciar o seu quinto mandato, em 2013.

Líder do criticado governo de João Henrique Carneiro, Téo Senna (PTC) também não obteve êxito nas urnas.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG