Serra pede votos no 2º turno pelo ‘bem de São Paulo’ e cita mensalão

Tucano, que disputa o segundo turno com Haddad, agradeceu o resultado nas urnas e ressaltou a parceria com o governador Alckmin

Bruna Carvalho - iG São Paulo | - Atualizada às

O candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, José Serra , agradeceu neste domingo aos eleitores que votaram nele e pediu votos “aos que não votaram” pelo “bem do futuro” da capital paulista. A declaração foi feita neste domingo após sair o resultado nas urnas que o colocou no segundo turno ao lado do petista Fernando Haddad .

Leia mais: Haddad se emociona, agradece a Lula e Dilma e espera mais alianças

São Paulo:  Serra e Haddad vão disputar o 2º turno na eleição 

Especial iG: Leia todas as notícias sobre as eleições municipais 2012

Futura Press
Serra agradeceu aos eleitores, pediu votos no 2º turno e citou o mensalão

Em seu discurso, Serra fez referência ao mensalão e disse que a ação política é feita de valores que vêm sendo recuperados pelo Supremo Tribunal Federal (STF). “Para mim, a ação política é revestida de valores. Isso é muito importante: valores, que é uma coisa que no Brasil ameaçou sair de moda e que, felizmente, com o nosso STF, está voltando à moda”, afirmou o tucano.

O candidato do PSDB ressaltou a parceria com o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin. “Quero também sublinhar o valor da parceria, horizontal e vertical. Em primeiro lugar, com o governo do Estado, que tem um peso administrativo na política pública da cidade de São Paulo decisivo. São Paulo tem contado com esta parceria fundamental desde 2005, e isso ajudou muito a nossa cidade”, afirmou.

Agora Serra, que tem como missão atrair o eleitorado, principalmente, do terceiro colocado na disputa e tirar votos de seu concorrente, ressaltou que seu governo terá como centro as pessoas mais necessitadas, e citou as realizações de sua gestão na área da saúde, educação e moradia popular. "Os pobres, a população mais pobre, serão o centro da nossa política de governo", disse. "Todas as pessoas de são Paulo que são mais carentes vão poder contar comigo 24 horas", afirmou.

Marta Suplicy:  'Saiu o pior, agora tem que tirar o menos pior', disse após resultado

Em seu discurso, Serra colocou também a questão das creches, ponto de discussão entre Haddad e Alexandre Schneider, vice do candidato tucano e ex-secretário municipal da educação. Ele afirmou que a gestão Serra/Kassab entregou ao todo 210 mil vagas e prometeu fazer mais. "E não é creche de saliva, porque essa é moleza de fazer. É creche de verdade, de tijolo, concreto, móveis, professores e qualidade".

Antes do discurso de Serra, o seu vice, Alexandre Schneider afirmou que todos os adversários são bem-vindos para apoiar os tucanos no segundo turno. Sobre o candidato derrotado Celso Russomanno (PRB), Schneider deu uma cutucada no adversário Fernando Haddad (PT) e disse que ele foi quem realmente existiu "de novo" nesta campanha à prefeitura. "O que teve de novo nessa campanha foi o Russomanno. O que fugiu totalmente do script, um candidato com uma coligação pequena que foi muito bem. A gente tem que ter muito respeito pelo Russomanno e pelo eleitorado dele", disse.

Questionado se a campanha tucana tinha preferência por um dos candidatos, Schneider negou e disse também que não foram definidas estratégias para o segundo turno. "Nosso objetivo era chegar ao segundo turno, e chegar bem. E chegamos bem, em uma campanha difícil".

Perguntado se o julgamento do mensalão, que deve chegar à sua fase final nas próximas semanas, entraria com mais força nas eleições, Schneider não descartou a hipótese. "Esse assunto só terá importância se o eleitor achar que tem importância", disse.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG