Qual liderança política mais se beneficiou do resultado das eleições de 2012?

Enquete do iG quer saber a opinião do leitor sobre quem mais tirou proveito do pleito este ano: Lula, Eduardo Campos, Aécio Neves, Gilberto Kassab, Michel Temer ou Marina Silva?

iG São Paulo |

Com o fim do primeiro turno das eleições, 5.515 municípios do País já definiram os prefeitos que vão comandar as prefeituras nos próximos quatro anos. Em algumas capitais de peso, como Belo Horizonte, Rio de Janeiro e Recife, a disputa já foi decidida: Marcio Lacerda (PSB), Eduardo Paes (PMDB) e Geraldo Júlio (PSB), respectivamente, foram eleitos na primeira etapa do pleito.

Pensando nisso, o iG lança nesta segunda-feira uma enquete em tempo real para que o leitor possa escolher qual líder político mais se beneficiou do resultado das eleições de 2012: Lula (PT), Eduardo Campos (PSB), Aécio Neves (PSDB), Gilberto Kassab (PSD), Michel Temer (PMDB) ou Marina Silva (sem partido)?

Veja o especial do iG sobre as eleições 2012

Para votar, basta clicar na enquete, em destaque na homepage do iG . Participe e saiba como pensam os outros usuários. Você faz o iG ao vivo com a gente.

A plataforma de enquete é baseada no conceito real time, que promove uma interação completa e em tempo real entre todos os usuários do portal. O leitor poderá participar de enquetes e conferir de que forma todos os outros usuários estão votando simultaneamente. Assim, é possível acompanhar os resultados e medir as mudanças de humor dos internautas em relação aos principais temas do Brasil e do mundo.

Saiba mais sobre os líderes:

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva garantiu a arrancada de Fernando Haddad (PT) na última semana da campanha pela Prefeitura de São Paulo. O candidato, que recebeu apenas cerca de 100 mil votos a menos que José Serra (PSD), foi indicado por Lula na disputa. O ex-presidente também viabilizou a vitória de Jorge Lapas (PT) em Osasco - cidade em que o antigo candidato petista, João Paulo Cunha, foi condenado pelo STF no julgamento do mensalão e se retirou da disputa - e Marcio Porchmann (PT) em Campinas - onde dois ex-prefeitos foram afastados do cargo sob denúncias de corrupção.

O governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), também pode ser considerado um vencedor desta eleição. Seu partido foi o sexto que mais elegeu prefeitos no País, mas foi o que mais cresceu na eleição municipal deste ano, proporcionalmente em relação à eleição passada. A sigla pasou de 314 prefeituras em 2008 para 416 este ano. O apoio do governador foi decisivo na vitória no Recife - capital em que, assim como Belo Horizonte, o PSB rompeu com seu aliado histórico, o PT.

Em Belo Horizonte, o senador tucano Aécio Neves comprovou sua força política no Estado, conseguindo reeleger o atual prefeito Marcio Lacerda (PSB) já no primeiro turno. Lacerda venceu o petista Patrus Ananias , que contou com o apoio de Lula e da presidenta Dilma Rousseff . A capital mineira foi considerada um laboratório da disputa em 2014 , que pode ter Neves e Dilma se enfrentando pela Presidência da República.

O atual prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD), teve um bom resultado neste pleito com sua recém-criada legenda - o PSD. O partido, estabelecido em 2011, se tornou a quarta força política do País, elegendo 491 prefeitos, ficando atrás somente do PMDB, PSDB e PT. Além disso, apoia o candidato José Serra (PSDB), que terminou a disputa no primeiro turno em primeiro lugar, com 30% dos votos e está na coligação que elegeu Paes no Rio de Janeiro e Recife.

O vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB), é presidente nacional do partido que mais elegeu prefeitos no Brasil. O PMDB colocou na cadeira de prefeito 1.065 candidatos nesta eleição. Além disso, seu candidato em São Paulo, Gabriel Chalita , que contava com apenas cerca de 6% das intenções de voto em grande parte da campanha, segundo pesquisas, conquistou 13% do eleitorado. Seu apoio, que deve ir para Fernando Haddad (PT), pode ser decisivo na reta final no maior colégio eleitoral do País.

Marina Silva (sem partido) apoiou candidatos isolados em várias cidades do País - entre eles Ricardo Young (PPS), que se elegeu vereador em São Paulo - nestas eleições. Nos bastidores, ela, que foi considerada um fenômeno eleitoral em 2010 com 20 milhões de votos, articula a criação de um partido, que pode se beneficiar com a força do seu capital político.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG