Partido criado por Gilberto Kassab é mais articulista e fez coligação com nove legendas diferentes; a sigla já perdeu ou está fora do segundo turno em 14 capitais

O PSD, partido criado no ano passado pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab , elegeu 491 prefeitos nas eleições deste ano e já é a quarta maior força política do País nos municípios, atrás somente do PMDB, PSDB e do PT . Entretanto, nas capitais, o partido não se consolidou: lançou apenas duas candidaturas próprias e, nas outras 24 capitais em que apoiou outros partidos, venceu em apenas duas e está no segundo turno em nove.

Veja o especial do iG sobre as eleições 2012

Partido criado por Kassab no ano passado elegeu 491 prefeitos
Agência Estado
Partido criado por Kassab no ano passado elegeu 491 prefeitos

Em Belo Horizonte, o PSD foi alvo de uma situação inusitada. Até junho, o partido de Kassab apoiava a coligação de Marcio Lacerda (PSB), que unia PT e PSDB na mesma coligação. Porém, após o rompimento dos petistas com o PSB, o partido ficou dividido.

O diretório municipal queria que o PSD continuasse na chapa do atual prefeito, pois pertencem a uma ala ligada ao senador tucano Aécio Neves , mas o comando nacional da legenda decidiu que o partido deveria apoiar Patrus Ananias (PT), indicado por Dilma Rousseff para disputar a eleição. Por ser da mesma base do governo federal, o PSD acabou apoiando Patrus e fracassou: o petista teve 40,8% dos votos, mas não foi páreo para o atual prefeito, que obteve 52,8%.

Leia também:  PMDB é o partido que mais elegeu prefeitos em todo o País

Renovação:  Câmara paulistana troca 40% dos atuais vereadores

Além de Belo Horizonte , o partido perdeu já no primeiro turno em Porto Alegre - com apoio a Manuela D'Ávila (PCdoB) -, Goiânia - na chapa de Jovair Arantes (PTB) -, Palmas - com apoio a Marcelo Lelis (PV) -, Aracaju - na chapa de Valadares Filho (PSB) -, Maceió - com apoio a Ronaldo Lessa (PDT) - e Boa Vista - naa chapa de Mecias de Jesus (PRB).

O PSD também ficou fora do segundo turno em Curitiba , onde apoiou o atual prefeito Luciano Ducci (PSB); Vitória , na chapa de Iriny Lopes (PT); São Luís , onde ficou na coligação de Washington Luís (PT); João Pessoa , onde apoiou Estela (PSB); Rio Branco , onde pertencia à coligação de Fernando Melo (PMDB) e Porto Velho , com Mariana Carvalho (PSDB).

Dos dois candidatos próprios que lançou, um em Cuiabá e outro em Florianópolis , o partido tem chances apenas em Florianópolis, onde prosseguiu para o segundo turno das eleições com o candidato Cezar Souza Júnior. Em Cuiabá, Carlos Brito não conseguiu passar para a segunda etapa do pleito.

Além da capital de Santa Catarina, o PSD conseguiu ir para o segundo turno em capitais de peso como São Paulo , onde apoia José Serra (PSDB) e é vice na chapa com Alexandre Schneider; Salvador , com o petista Nelson Pelegrino (PT); Fortaleza , onde apoia Roberto Cláudio (PSB); Belém , em que está com Zenaldo Coutinho (PSDB); Manaus , onde está com Vanessa Grazziotin (PCdoB); Macapá , onde apoia Roberto (PDT); Campo Grande , com Giroto (PMDB); Natal , com Carlos Eduardo (PDT), e Teresina , onde pertence à coligação de Firmino Filho (PSDB).

No Rio de Janeiro e no Recife , o PSD participou das chapas que saíram vencedoras. Eduardo Paes (PMDB), no Rio, foi reeleito com 64,6% dos votos, e Geraldo Júlio, na capital pernambucana, com 51,15%.

Profusão de legendas

A quantidade de legendas diferentes que contou com o apoio do PSD nesta eleição dá o tom mais articulista e menos ideológico do partido. Nas capitais em que o PSD não lançou candidato próprio, fez coligação com nove legendas diferentes, de PT e PCdoB a PSDB e PV.

O partido que mais coligou com o PSD foi o PSB, em seis capitais, seguido do PSDB e PT (4 capitais cada); PDT (3 capitais); PMDB e PCdoB (2 capitais cada) e PTB, PV e PRB (1 capital cada).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.