Temer liga para Haddad para garantir apoio do PMDB no 2º turno

Boca de urna indica que a disputa em São Paulo será entre o petista e o tucano Serra

Ricardo Galhardo - iG São Paulo | - Atualizada às

O vice-presidente Michel Temer ligou neste domingo para o candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad , para garantir apoio no segundo turno, caso se confirme a boca de urna que indica que a disputa na capital paulista será o petista e o adversário tucano José Serra . O PT e o PMDB tem um acordo pré-eleitoral para um partido apoiar do outro nos casos em que os candidatos das siglas estiverem no segundo turno. No caso de Haddad, o anúncio oficial só deve ser feito após a confirmação das urnas entre hoje e amanhã. 

São Paulo:  Boca de urna tira Russomanno da corrida e dá 2º turno com Serra e Haddad

Apuração em tempo real: Confira minuto a minuto a contagem de votos em todo o País

Especial: Confira a cobertura completa do iG sobre as eleições 2012

As conversas devem ser em nível nacional com os demais partidos, tanto o PMDB quanto os demais. O PT só não vai procurar o PPS. “Vamos conversar com todos, menos com o PPS porque, ao que tudo indica, eles devem apoiar o Serra”, afirmou Antonio Donato, coordenador geral da campanha de Haddad. O candidato do PMDB em São Paulo era o deputado e ex-secretário de Educação Gabriel Chalita

Transformação: Veja as mudanças na fisionomia dos candidatos na eleição em SP

A pesquisa de boca de urna realizada neste domingo mostrou o candidato do PRB, Celso Russomanno, fora do segundo turno. Serra tem a dianteira na corrida, com 30% dos votos válidos. Em seguida, tecnicamente empatado com o tucano, aparece o ex-ministro da Educação Fernando Haddad (PT). Russomanno tem 23% dos votos válidos e Gabriel Chalita (PMDB) tem 12%. A pesquisa tem margem de erro de dois pontos para mais ou para menos.

Os números marcam uma virada na eleição pela prefeitura da maior cidade do País. Russomanno liderou as pesquisas durante boa parte da corrida eleitoral. Nas últimas semanas, entretanto, os levantamentos de intenção de voto já apontavam uma desidratação do candidato do PRB.

Ao longo da corrida, o ex-apresentador de televisão chegou a ser tido como grande surpresa da eleição na capital paulista e tornou-se alvo de adversários. Na campanha de Serra, o discurso usado na reta final da disputa era o de que o ideal era "bater cirurgicamente" no candidato do PRB. Já a campanha petista investiu em ataques mais duros a Russomanno. Uma das linhas de ação petista foi apostar em críticas à proposta do candidato do PRB para a área de transportes, que previa reduzir o preço da passagem para quem percorre trechos menores.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG