Em São Luís, candidato da família Sarney deve ficar fora do 2º turno

O petista Washington Luiz está apenas em terceiro nas pesquisas atrás do candidato a reeleição, João Castelo e do novato Edvaldo Holanda Júnior, apoiado por Flávio Dino

Wilson Lima - iG Brasília |

A disputa eleitoral em São Luís, capital do Maranhão, mostra que nem sempre ter o apoio de nomes fortes da polícia nacional, um tempo de TV bem superior aos dos concorrentes ou mesmo a máquina administrativa estadual ao lado é o suficiente para alavancar uma candidatura.

Na capital maranhense, segundo as últimas pesquisas de intenção de voto, a disputa está polarizada entre o atual prefeito, João Castelo (PSDB) e o deputado federal Edvaldo Holanda Júnior (PTC), que se candidata pela primeira vez ao Palácio de La Ravardiére. O terceiro colocado é o petista Washington Luiz.

Especial: Confira a cobertura completa do iG sobre as eleições 2012

De todos os candidatos à prefeitura, Washington é o único que conta com o apoio da governadora do Maranhão, Roseana Sarney (PMDB); do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e da presidenta Dilma Rousseff (PT). Os três apareceram em inserções do candidato petista. Lula inclusive pediu votos para Washington nos primeiros programas eleitorais.

Divulgação
Washington Luiz é apoiado por Lula e Dilma, e é endossado ainda pela família Sarney

Além disso, em comparação com os principais candidatos em São Luís, o tempo de TV do petista é três vezes maior que o dos seus concorrentes diretos na disputa. E a intenção da coordenação de campanha era que Washigton estivesse ao menos próximo do segundo colocado nessa reta final de primeiro turno.

O prefeito de São Luís utilizou como estratégia de campanha o resumo de obras que ele executou durante seu primeiro mandato. Mas a prestação de contas também gerou a maior polêmica da campanha.

Educação política: Entenda como funciona a urna eletrônica

Em julho deste ano, Castelo iniciou a construção de um veículo leve sobre trilhos (VLT) no Centro de São Luís. Os primeiros 5 km da obra foram orçados em R$ 19 milhões, com prazo de conclusão para o final do ano. Os adversários criticaram a obra classificando-a como eleitoreira e impossível de ser cumprida. Até agora, apenas 900 metros dos trilhos foram concluídos. Mas um dos vagões está em fase de testes. O prefeito, inclusive, autorizou que pessoas andassem no VLT mesmo antes de sua conclusão. Essa obra é o maior carro-chefe da campanha castelista em São Luís.

Segundo colocado nas intenções de voto, Edvaldo Holanda Júnior tem surpreendido pela forma como cresceu na disputa eleitoral ludovicense. Na primeira pesquisa Ibope ele aparecia com 18% e cresceu quase dez pontos percentuais em menos de um mês. Nas simulações de segundo turno, Holanda Júnior aparece como vencedor da disputa em São Luís.

Holanda é apadrinhado do presidente da Empresa Brasileira de Turismo (Embratur), Flávio Dino. Até o final do ano passado, Dino era apontado como um forte candidato à prefeitura de São Luís, mas ele resolveu sair da disputa após a morte do filho, ocorrida em fevereiro deste ano. Nos bastidores, surpreende o crescimento de Holanda Júnior principalmente pelo fato de que algumas de suas propostas são adaptações de ações de governo de outras capitais, como São Paulo. Holanda Júnior, por exemplo, pretende implementar subprefeituras em São Luís, assim como ocorre na capital paulista.

Além desses três, também disputam a prefeitura de São Luís a deputado estadual Eliziane Gama (PPS), ex-prefeito Tadeu Palácio (PP); Marcos Silva (PSTU); Haroldo Sabóia (PSOL) e Ednaldo Neves (PRTB).

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG