Em Manaus, Virgílio tem grande votação, mas não evita 2º turno com Grazziotin

Ex-senador foi o mais votado na capital amazonense, com índice bem superior ao que as pesquisas apontavam; mesmo assim, candidata do PCdoB garantiu presença na rodada final

iG São Paulo | - Atualizada às

O candidato do PSDB à Prefeitura de Manaus, o ex-senador Arthur Virgílio, foi o mais votado na capital amazonense, terminando a eleição com uma votação muito maior que a da principal adversária na disputa, a candidata do PCdoB, Vanessa Grazziotin. O tucano obteve 40,55% dos votos válidos – índice bem superior ao que mostravam as últimas pesquisas na cidade. Mesmo assim, ele não conseguiu evitar o 2º turno contra a comunista, que teve 19,95%.

Especial iG: Leia todas as notícias sobre as eleições municipais 2012

Virgílio e Grazziotin protagonizaram uma das disputas mais acirradas das eleições municipais pelo País neste ano, reeditando o embate do pleito de 2010 – na ocasião, os dois disputaram uma vaga no Senado Federal por Amazonas, e a comunista levou vantagem, se elegendo senadora como a segunda mais votada, atrás apenas do ex-governador Eduardo Braga (PMDB). O tucano terminou na terceira colocação, sem a vaga no Senado.

De acordo com pesquisa do Ibope divulgada na sexta-feira (5), Virgílio e Grazziotin apareciam tecnicamente empatados - o tucano com 31% das intenções de voto, e a comunista, com 29%.

Na terceira colocação, ficou Henrique Oliveira, do PR, que obteve 16,46% dos votos válidos, seguido por Serafim Corrêa, do PSB (11,64%), Sabino Castelo Branco, do PTB (7,30%), Pauderney Avelino, do DEM (2,81%), Jerônimo Maranhão, do PMN (0,64%), Luiz Navarro, do PCB (0,42%) e Herbert Amazonas, do PSTU (0,22%).

Durante a campanha, a disputa entre Arthur Virgílio e Vanessa Grazziotin ficou mais acirrada no dia 11 de setembro, quando a candidata do PCdoB se transformou em personagem da maior polêmica campanha até agora. Na chegada a um debate na televisão, Vanessa disse ter sido atingida por um ovo. Horas depois, foram divulgadas fotos que, em sequência, uma após a outra, colocavam em dúvida a versão de Vanessa de que um ovo teria a atingido. O candidato tucano acusou a adversária de montar uma “farsa”. “Fica claro que houve uma armação por parte da candidata e de suas equipes de marketing e jurídica”, disse Virgílio. A esta altura, vários colegas de Vanessa no Senado já haviam se manifestado em solidariedade à candidata, repudiando a suposta agressão com ovo.

Após a repercussão negativa do episódio, com a divulgação das imagens e o questionamento dos adversários, a candidata do PC do B mudou o discurso: “Não sei se foi ovada ou cuspe, mas foi uma agressão”, afirmou. “Eu não vou admitir mais agressões. Fui agredida duas vezes, e a segunda vez foi pelos jornais, que estão dizendo que tudo foi uma farsa.”

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG