Candidato de Eduardo Campos vence no 1º turno e tira PT do Recife após 12 anos

Desconhecido, candidato do PSB foi lançado à Prefeitura por governador socialista e vence com 51,15% dos votos válidos. Partido e Campos ganham peso para as eleições de 2014

Gabriela Bezerra - especial para o iG do Recife | - Atualizada às

O novo prefeito do Recife é Geraldo Julio (PSB), eleito já no 1º turno com 51,15% dos votos válidos. Mas o grande vitorioso da eleição na capital pernambucana é o governador Eduardo Campos , que chancelou a candidatura do socialista, bancando um nome até então desconhecido da maior parte do eleitorado, e arcou com o possível risco do rompimento da aliança com o PT do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da presidenta Dilma Rousseff . Com a vitória, o PSB tira a prefeitura do Recife das mãos do PT após 12 anos de gestão do partido na cidade.

Leia mais:

"PSB não está a reboque do PT", diz Eduardo Campos ao iG

PT já chama de aliado o candidato de Eduardo Campos eleito no Recife

Candidato de Eduardo Campos bate tucano e petista e vence no 1º turno

Acompanhe a cobertura completa das eleições 2012

Andrea Rêgo Barros / PSB
Geraldo Julio (PSB) votou ao lado da família nesta manhã. O novo prefeito do Recife foi eleito no primeiro turno

Quando o PSB pernambucano decidiu romper com o PT e lançar a candidatura própria, Geraldo Julio era desconhecido da população. Ele foi secretário estadual de Planejamento e Gestão do governo de Campos e surgiu como alternativa da Frente Popular do Recife ao imbróglio que a sucessão municipal criou dentro do PT do município. A vitória do socialista já no primeiro turno serviu não apenas para ratificar a força política do governador, mas também para evitar um novo constrangimento por parte dos petistas. No cenário de um eventual segundo turno, em que haveria a disputa polarizada entre Geraldo e Daniel Coelho (PSDB), segundo colocado, o PT ficaria numa saia-justa para decidir em que palanque subir.

O desempenho de Julio se deve em grande parte ao empenho do governador de Pernambuco, que tem elevados índices de aprovação, como cabo eleitoral. Soma-se à popularidade do governador a ampla aliança em torno da candidatura socialista, formada por 14 partidos.

Com o novo prefeito definido, surgem  novas dúvidas, sobretudo acerca dos próximos passos do PT no Recife. Ainda está semana, os petistas devem marcar diálogo para avaliação do processo eleitoral. A situação do atual prefeito do Recife, João da Costa (PT), deve ser discutida nessa ocasião. Parte da sigla quer a saída dele do partido. A permanência do grupo na gestão estadual também deverá ser tema da pauta, já que os ânimos ficaram acirrados entre PT e PSB.

Vitorioso nas urnas

Em seu discurso da vitória, Geraldo Julio agradeceu o trabalho da militância e da coordenação de campanha e o apoio recebido pelos correligionários e aliados. Aproveitou também para prestar “agradecimento também aos adversários, pela forma como a eleição se deu”. Toda comitiva do PSB se reuniu em festa no Marco Zero, Centro do Recife.

Pregando a “paz política”, Geraldo Julio reforçou a importância de, como prefeito, buscar a unidade em torno do seu projeto para o Recife. “A gente quer juntar todos aqueles que querem um Recife melhor”, afirmou. Em seu discurso, o socialista firmou o compromisso de que o seu primeiro ato à frente da prefeitura será definir a localização do primeiro Hospital da Mulher do Norte-Nordeste.

Adversários

Por outro lado, o apoio de Lula a Humberto Costa não surtiu o efeito esperado. O petista entrou na disputa liderando todas as pesquisas, após o atual prefeito, João da Costa (PT), com gestão mal avaliada, ser alijado do partido e impedido de disputar a reeleição.

Em coletiva após resultado da eleição, petista destacou que “a derrota foi eleitoral, mas não política”. Questionado se o PT pode voltar a se alinhar com o PSB no Recife, Humberto respondeu que esse tema “não foi discutido ainda nem vai ser discutido agora”

Na reta final da eleição, Julio chegou a ter a vitória no 1º turno ameaçada pelo tucano Daniel Coelho , mas após uma emocionante apuração dos votos, neste domingo, pôde comemorar a vitória logo na primeira rodada do pleito. “Não é fácil enfrentar a máquina. Este é um momento vitorioso em que a oposição sai fortalecida”, declarou. 

Por tabela, Campos ganha cacife político em futuras negociações políticas de olho nas eleições de 2014. O governador de Pernambuco, que é presidente nacional do PSB, é especulado como potencial candidato à Presidência da República ou até mesmo como candidato a vice na chapa de reeleição da presidenta Dilma Rousseff.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG