Após disparada, Fortunati pode ser reeleito em primeiro turno de Porto Alegre

Prefeito da capital gaúcha e candidato à reeleição pelo PDT tem 51% das intenções de voto; Manuela D'Avila tem 21% e pede segundo turno aos eleitores

iG São Paulo |

Porto Alegre chega às urnas neste domingo (07) com o atual prefeito e candidato à reeleição, José Fortunati (PDT), na liderança da corrida e com chances de se eleger ainda no primeiro turno. Apenas dois dias antes da eleição, Fortunati contava 57% dos votos válidos em pesquisa Ibope, podem levar já na primeira etapa de votação a disputa com a deputada federal Manuela D'Ávila (PC do B), que contava 27% dos votos válidos no mesmo levantamento. Na véspera da eleição, o Datafolha mostrou Fortunati com 61% dos votos válidos, e Manuela, com 23%

Veja o especial do iG sobre as eleições 2012

Puxado pela boa avaliação de sua gestão, considerada ótima ou boa por mais de 43% da população da cidade, segundo o Datafolha, o candidato do PDT cresceu na reta final da campanha e se distanciou de Manuela.

Divulgação
Em Porto Alegre, José Fortunati (PDT) lidera as pesquisas de intenção de voto com 57% dos votos válidos

Datafolha:  Fortunati vai a 51% em Porto Alegre; Manuela tem 21%

A liderança isolada do candidato do PDT forçou as campanhas do PC do B e do PT - que ocupa a terceira colocação na corrida com Adão Villaverde - a incluírem o pedido pelo segundo turno no discurso da última semana de campanha. Em seu último programa veiculado no horário eleitoral, na quarta-feira (03), Manuela pediu aos eleitores que garantam o segundo turno nas eleições. “Se ainda estás em dúvida entre eu e ele ( Fortunati ), lembra que ainda podes ter mais 20 dias para resolver essa dúvida”, disse a candidata. A estratégia foi adotada também por Villa, que usou o seu tempo no debate realizado pela TV Record , na segunda-feira (02), para afirmar que conquistará os indecisos e eleitores de Fortunati para forçar um segundo pleito.

Leia também:  Manuela é impedida de citar Dilma em campanha de TV em Porto Alegre

Villaverde

A exemplo de outras candidaturas petistas, como no Recife e em Salvador, a candidatura de Villaverde vai ao primeiro turno sem ter decolado na capital gaúcha. Apesar de todo o apoio recebido por líderes do partido, como a ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva , e o governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro (PT), o candidato não passou dos 10% durante toda a campanha, sem conseguir ameaçar os principais adversários. Em uma última tentativa de atrair votos, ex-ministra do Meio Ambiente, Marina Silva (sem partido), desembarcou em Porto Alegre nesta semana para declarar apoio ao petista e participar de atos de campanha.

Fortunati: "Entrada de Lula na campanha terá um preço", diz prefeito de Porto Alegre

A presidenta Dilma Rousseff não se engajou na campanha petista na cidade, apesar de Porto Alegre ser seu colégio eleitoral. Na disputa pela capital, os outros dois principais adversários de Villa fazem parte da base aliada do governo. Em agosto, Fortunati chegou a declarar que a participação de Lula e Dilma em Porto Alegre teria ”reflexos em 2014 e no Congresso”, insinuando uma possível retirada do apoio do PDT ao PT no plano nacional.

Saiba mais: Ciro Gomes vai para o Sul apoiar candidatos e aliados do PSB

Divulgação
Após queda nas pesquisas, Manuela D'Ávila (PCdoB) pede segundo turno

O uso do nome de Dilma também foi motivo de discussão entre o PT e o PC do B após a campanha de Manuela ter citado a presidenta no horário político. Durante a apresentação do currículo de Manuela, a campanha lembrava que ela foi "vice-líder de Dilma", o que gerou uma representação do PT contra a candidata. A Justiça Eleitoral chegou a proibir que Manuela usasse imagens ou citasse nominalmente a presidenta e o ex-presidente, mas o uso foi posteriormente liberado pelo Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul (TRE-RS).

Coligada com o PSB, Manuela se apoiou em nomes do partido que viajaram até a capital gaúcha para participar da campanha, como o ex-governador Ciro Gomes e a deputada federal Luiza Erundina (PSB-SP).

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG