Paes faz caminhada ao lado de Cabral; Freixo diz que 'urnas podem surpreender'

Atual prefeito, candidato à reeleição, esteve ao lado do governador e de integrantes de PT, PP e PRB para demonstrar força de sua candidatura; Freixo destaca o papel da juventude

Agência Estado |

Agência Estado

No último dia de campanha, o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PMDB), candidato à reeleição, procurou reforçar a ideia da união em benefício da cidade e fez caminhada em Madureira, na zona norte, ao lado do governador Sérgio Cabral (PMDB), do vice-governador, Luiz Fernando Pezão, e dos três senadores do Rio, Francisco Dornelles (PP), Lindbergh Farias (PT) e Marcelo Crivella (PRB), licenciado para ocupar o Ministério da Pesca.

Leia mais: Candidatos correm para conquistar indecisos na véspera da eleição

Leia também: Último debate no Rio tem bate-boca e ataques a Paes

Apesar do favoritismo, Paes evitou comemorar a vitória antecipadamente, "em respeito aos adversários, à população, ao eleitor". Parlamentares de vários partidos da coligação também acompanharam o prefeito. "Esta é a prova de que a união deu certo. São pessoas de partidos diferentes, com visões de mundo diferentes, mas que se uniram porque entenderam que a cidade está indo para frente", disse Paes. 

Datafolha: Eduardo Paes mantém liderança e pode vencer no primeiro turno

"Esta eleição teve de um lado a turma da confusão, aquela gente que durante tanto tempo governou o Rio e fez muito mal para a cidade, de outro aquela gente que usa o Rio para trampolim para lutas ideológicas que nada têm a ver com os interesses da cidade. E a nossa candidatura, voltada para a cidade. Não tenho nenhuma missão partidária ou ideológica, de mudar o mundo. Eu quero cuidar da cidade, governar para os cariocas", afirmou Paes, em referência aos candidatos do DEM, Rodrigo Maia , filho do ex-prefeito Cesar Maia, e do PSOL, Marcelo Freixo . "Sou o cara mais feliz do mundo", disse o prefeito. 

Saiba tudo: Leia todas as notícias sobre a eleição no Rio de Janeiro

Freixo

Independentemente do resultado das eleições, a campanha no Rio foi "pedagógica", segundo Marcelo Freixo, candidato do PSOL. No último ato antes da votação, um abraço simbólico ao Maracanã, o candidato exaltou a participação da juventude na mobilização e afirmou que a "resistência" continuará mesmo em caso de derrota. Entretanto, ele reafirmou a esperança de levar a eleição para o segundo turno, apesar do favoritismo de Paes:. "As urnas podem surpreender", disse. 

"Essa campanha teve na juventude sua marca maior. Foi uma campanha pedagógica do início ao fim", afirmou o candidato em rápido discurso antes de os militantes promoverem o abraço simbólico ao estádio. Ao fim da manifestação, a mãe de Freixo, que participava do ato, passou mal. Ela foi retirada de carro do local e, socorrida, passa bem.T

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG