Lula diz que eleição em São Paulo é a 'mais complicada' de que já participou

Com ataques a Serra, ex-presidente afirma que há 'embolamento' na corrida pela prefeitura da capital

Ricardo Galhardo iG São Paulo |

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse hoje que a eleição deste ano é a mais complicada já disputada pelo PT na cidade de São Paulo. “Esta é a eleição mais complicada em São Paulo de todas que eu já participei. Tem um embolamento”, disse Lula, na Praça da Sé, ponto final de uma caminhada com o candidato Fernando Haddad (PT) pelas ruas do centro de São Paulo.

Especial: Confira a cobertura completa do iG sobre as eleições 2012

Minutos antes de discursar Lula recebeu o resultado do mais recente tracking diário do PT que mostra um inédito empate numérico entre Haddad, José Serra (PSDB) e Celso Russomanno (PRB) faltando dois dias para a eleição.

Lula não citou as complicações enfrentadas por Haddad mas a lista é grande: o turbulento processo de escolha do candidato e a consequente revolta da ministra da Cultura, Marta Suplicy, a demora para fechar alianças com PSB e PC do B, a desistência de Luiza Erundina (PSB) em represália à coligação com o PP de Paulo Maluf, dificuldades na arrecadação de dinheiro, divergências entre o PT e o comando de marketing da campanha, o inesperado fenômeno Russomanno e, por fim, o julgamento do mensalão às vésperas da eleição.

Divulgação
Haddad

Segundo petistas, tudo isso levou Haddad, estreante em eleições, a chegar na véspera do pleito com índices de intenção de voto muito abaixo dos 30% que o PT historicamente tem na cidade.

“Pelas condições que o PT enfrentou é uma grande vitória chegarmos assim no dia da eleição”, disse o coordenador geral da campanha petista, Antonio Donato.

Serra “frágil”

De olho em um possível segundo turno entre Haddad e Serra, Lula concentrou seu ataques no tucano e poupou Russomanno. Lula ironizou o episódio em que Serra disse ter sido agredido por petistas quando foi atacado com uma bolinha de papel em um evento da campanha presidencial de 2010.

“Sabemos que tem um candidato aí que até quando jogaram uma bolinha de papel ele disse que foi agressão e tentou culpar o PT. Por isso nada de brincar com bolinha de papel, bolinha de isopor. Nem com bolinha de sabão vocês vão poder brincar. O rapaz é frágil”, afirmou.

Antes de ir embora, Lula cumprimentou eleitores que se aglomeravam em torno do carro de som na Praça da Sé e disse esperar um segundo turno com Haddad em primeiro lugar.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG