'Acredito que vai ter cadeia', diz procurador-geral sobre mensalão

Na véspera do início do julgamento do núcleo político do PT, Gurgel disse que a condenação dos réus será 'um marco' para a mudança das práticas políticas do País

iG São Paulo |

Na véspera do início do julgamento dos acusados do chamado núcleo político do PT no mensalão, o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, disse que a condenação dos réus será "um marco" para a mudança das práticas políticas no País. "Esse comportamento na política dá cadeia, sim. Acredito firmemente que vai ter cadeia, em número bem significativo", afirmou o procurador-geral.

Calendário: Saiba o que já aconteceu e o que está por vir no julgamento do mensalão

Leia mais: Maioria do STF condena Jefferson, Costa Neto e mais 6 por corrupção

Leia também: Veredito sobre núcleo do PT deve sair somente após as eleições

Gurgel reiterou a convicção de que "José Dirceu (ex-ministro-chefe da Casa Civil do governo Lula) era o grande mentor, o grande líder daquela organização criminosa". "Continuo absolutamente convencido da participação dele, a prova é mais que abundante, é torrencial em relação ao ministro José Dirceu", afirmou.

Antes de iniciar o julgamento do núcleo político do PT, que inclui além de Dirceu, o ex-presidente nacional do partido José Genoino e o ex-tesoureiro da legenda Delúbio Soares, o STF terá de concluir nesta segunda-feira a etapa que trata dos integrantes de outros partidos da base aliada do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva – PP, PL (hoje PR), PTB e PMDB.

Desavenças: Relator diz que Marco Aurélio é 'obstáculo' à presidência do STF

Jefferson sobre condenação: 'Sou vítima de mim mesmo'

Após as manifestações do ministro relator, Joaquim Barbosa, e do revisor, Ricardo Lewandowski, na última quinta-feira (27) foi a vez dos demais magistrados da Corte se posicionarem sobre as acusações feitas a 13 réus do processo. Rosa Weber, Luiz Fux, Cármen Lúcia e Gilmar Mendes concluíram seus votos. José Antonio Dias Toffoli votou apenas parcialmente, pois teve de deixar o plenário para participar da sessão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), e irá retomar a leitura sobre o caso nesta segunda.

Na sequência, ainda na análise das acusações de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha contra os 13 réus dos partidos aliados, votarão os ministros Marco Aurélio Mello – criticado duramente pelo relator Joaquim Barbosa em nota à imprensa na última sexta –, o decano da Corte Celso de Mello e o presidente do STF, ministro Carlos Ayres Britto. A expectativa é de que toda a sessão desta segunda-feira seja dedicada somente a este tópico do processo.

Especial iG: Leia todas as notícias sobre o julgamento do mensalão

Placar: Veja como foram os votos de cada um dos ministros até aqui

Até o momento, após os votos do relator, do revisor e de quatro outros ministros (já que Dias Toffoli ainda não concluiu seu parecer), foram condenados por corrupção, neste item da denúncia do mensalão, o ex-deputado do PTB Roberto Jefferson, delator do esquema; o deputado Valdemar Costa Neto; o ex-deputado do PP e ex-presidente nacional do partido Pedro Corrêa; o ex-deputado do PL Bispo Rodrigues; o ex-líder do PMDB José Borba; e o ex-deputado do PTB Romeu Queiroz; o homem de confiança do PP João Genu; e ex-tesoureiro do PL Jacinto Lamas.

Por lavagem de dinheiro, foram condenados pela maioria do STF Enivaldo Quadrado, ex-sócio da corretora Bônus Banval, além de Costa Neto, Corrêa e Jacinto Lamas. O réu Antonio Lamas, irmão de Jacinto, foi absolvido de todos as acusações.

O STF julga o item 6 da denúncia da ação do mensalão – o quarto dos sete itens do processo –, que trata do chamado "núcleo político", do qual fazem parte ex-parlamentares que teriam se beneficiado do pagamento de propina em troca de apoio ao governo Lula no Congresso Nacional.

*Com Agência Estado

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG