Veto de Dilma sobre royalties do minério incendeia eleições em Belo Horizonte

Partidos da coligação de Marcio Lacerda (PSB) deflagram campanha contra presidenta na capital mineira

Pedro Venceslau e Rafael Abrantes - Brasil Econômico |

Na reta final da disputa em Belo Horizonte, o comando da campanha de Marcio Lacerda (PSB) adotou uma estratégia ousada e inédita: atacar a presidenta Dilma Rousseff . A ofensiva foi deflagrada para anular o efeito da visita que ela pretende fazer à capital mineira para reforçar a campanha de Patrus Ananias (PT) e forçar um segundo turno.

Belo Horizonte:  Lula orienta Patrus a não responder ataques de Lacerda

Vox Populi: Em Belo Horizonte, Lacerda tem 44%, e Patrus, 25%

Datafolha: Lacerda aparece com 16 pontos de vantagem sobre Patrus

A senha foi dada pelo senador Aécio Neves (PSDB) na última quarta-feira, quando ele acusou a presidenta de “maltratar” Minas Gerais ao vetar o aumento dos royalties da mineração, o que impediu que o Estado e municípios arrecadassem mais R$ 300 milhões das mineradoras.

Apesar dessa questão não afetar diretamente a cidade, o tema incendiou o campanha e deixou o candidato petista na defensiva. Segundo apurou o Brasil Econômico , a estratégia é apelar para o sentimento de orgulho e “mineiridade”.

LEO FONTES/O TEMPO/AE
Por Lacerda, Aécio faz corpo a corpo nas ruas de Belo Horizonte

A ideia, porém, é preservar Marcio Lacerda da ofensiva, deixá-la fora da propaganda na TV e dar a missão para os líderes dos partidos aliados, especialmente o PSDB. “Assim como Joaquim Silvério dos Reis (delator de Tiradentes), Fernando Pimentel (ministro do Desenvolvimento e ex-prefeito de BH) e Patrus Ananias são traidores dos interesses de Minas. Eles se renderam à coroa, que no caso é representada pela presidente Dilma”, disse ao Brasil Econômico o deputado federal Marcus Pestana, presidente do PSDB-MG.

São Paulo:  A duas semanas da eleição, candidatos sobem tom na campanha 

“O PSDB tem usado o que é lógico e não lógico politicamente nesta disputa eleitoral. O PSDB em Minas construiu uma lógica em 2014, citando o julgamento do mensalão e agora os royalties do minério.”, rebateu a deputada federal Jô Moraes (PCdoB-MG), que integra o comando da campanha de Patrus.

Questionado sobre o veto, Patrus Ananias defendeu a posição da presidenta da República e disse que o veto é bom para os interesses de Minas Gerais. Ele afirmou que a presidenta “recebeu um apelo da Associação Mineira de Municípios e da Associação Brasileira de Municípios(ABM), da área de mineralogia, pedindo o veto”.

Patrus acredita que a prioridade deve ser a criação de um marco regulatório. Se a presidenta confirmar sua participação no ato petista marcado para sábado em Belo Horizonte, ela encontrará na cidade um clima hostil.

“O senador Aécio (ao atacar a presidenta Dilma) está contrariando sua própria estratégia inicial de querer desnacionalizar a campanha eleitoral”, completa Jô Moares.

Leia mais notícias sobre política, economia e negócios no Brasil Econômico .

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG