Especialistas de moda avaliam o estilo dos candidatos em São Paulo

Com o marketing político cada vez mais próximo do estado da arte, visual ganhou contornos estratégicos

Pedro Venceslau , Rafael Abrantes e Marcelo Ribeiro - Brasil Econômico | - Atualizada às

Em época de eleição, os candidatos aparecem na mídia mais do que qualquer produto. Nos jornais, na TV e no rádio, vemos, lemos, assistimos e ouvimos falar mais de Celso Russomanno, José Serra , Fernando Haddad e Gabriel Chalita do que das Casas Bahia ou da Coca-Cola.

Com o marketing político cada vez mais próximo do estado da arte, o quesito apresentação visual ganhou contornos estratégicos. Para saber quais candidatos estão mais (e menos) antenados com as tendências da moda, cabelo e maquiagem, o Brasil Econômico ouviu um time de especialistas de ponta.

Agência Estado
Especialistas criticam o excesso de maquiagem usado por Celso Russomanno


Leia mais: Serra desiste de realizar comício no centro de São Paulo

Leia também: Sem reunião com arcebispo, Russomanno não participará de debate

Comecemos pelos cabelos. O líder nas pesquisas, Celso Russomanno (PRB), investe em um estilo conservador, mas devia mudar seu corte. “Seu cabelo é um pouco arrepiado. Poderia ser mais comprido para trás. Assim teria um visual mais executivo, chique”, opina o cabeleireiro Mário Nunes, do Stúdio W. Nesse quesito, porém, seu voto pode ser contestado no TRE (Tribunal Regional Eleitoral). Motivo: ele é o responsável pelo cabelo de Gabriel Chalita. “Ele corta o cabelo a cada 25 dias, inclusive durante a campanha, aqui no Studio W do shopping Higienópolis."

Brasil Econômico: Comícios são deixados de lado por candidatos em São Paulo

Para sair bem na foto, o peemedebista diminuiu o comprimento do cabelo para ter um visual mais jovem e mais prático para o dia-a-dia. “Acho o cabelo do Chalita engomado demais” , contesta a blogueira de moda Doris Bicudo. “O Haddad tem que dar uma estilizada no corte. Ele poderia ter um cabelo mais poético, com fios mais longos", conclui o cabeleireiro Wanderley Nunes.

Análise: U ma campanha eleitoral em crise de identidade

Especial iG: Leia todas as notícias sobre as eleições municipais de 2012

Agência Estado/Band
O candidato Gabriel Chalita corta o cabelo a cada 25 dias

“O cabelo do Carlos Gianazzi, do PSOL, é o pior. Aquilo é um drama sem fim. O assessor de imagem deveria ter dito isso, mas talvez tenha sido uma resistência do próprio candidato”, especula Sylvaim Justum, editor do site Hypercool e da revista Harper's Bazaar. “O corte da Soninha combina com seu estilo mais à vontade e está bacana. Talvez ela devesse dar uma clareada”, opina Wanderley Nunes. Já José Serra não foi avaliado nesse item porque seria uma covardia.

Maquiagem e estilo

A consultora Márcia Jorge fez uma observação importante para o QG de Russomanno. “Ele está usando muita maquiagem branca no rosto”, diz. O editor Sylvain Justum concorda. “O candidato do PRB exagera muito na maquiagem. Isso dá impressão de que ele fez alguma cirurgia plástica. Ele parece um boneco de cera." Nesse quesito, porém, todas as atenções se voltaram para Soninha. “Sou uma perua e meu estilo é oposto do dela. Mas o fato da Soninha ir sem maquiagem aos debates e entrevistas demonstra personalidade. A deselegância dela é muito charmosa", elogia Doris Bicudo.

Ao avaliar a postura de cada um, a blogueira fez uma observação capital. “Você percebe que o Haddad se cuida para não ter barriga e usa camisas bem cortadas. Já o Serra escolhe muito bem suas gravatas”, conclui Dóris. A consultora de moda Márcia Jorge explica que as cores da roupa são uma mensagem subliminar à parte. “Os candidatos sempre preferem cores sóbrias e neutras."

Leia mais notícias sobre política, economia e negócios no Brasil Econômico

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG