Relator retoma hoje voto sobre compra de votos no esquema do mensalão

O ministro do STF Joaquim Barbosa afirmou na última sessão não haver dúvida de que o PT comprou votos no Congresso Nacional e derrubou a tese de caixa 2 eleitoral

iG São Paulo | - Atualizada às

O julgamento do mensalão  será retomado nesta quarta-feira, a partir das 14 horas, no Supremo Tribunal Federal (STF). O ministro-relator, Joaquim Barbosa, dá continuidade à leitura do voto sobre as acusações referentes ao sexto capítulo da denúncia, que se refere aos crimes de corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha, envolvendo os partidos da base aliada do governo entre 2003 e 2004.

Veja o especial do iG sobre o julgamento do mensalão

Gervásio Baptista/SCO/STF
O ministro-relator Joaquim Barbosa durante a sessão de segunda-feira do julgamento do mensalão


Saiba mais:  'Não há dúvidas sobre compra de voto no mensalão', diz Joaquim Barbosa

No item 6 da denúncia, há acusações contra réus ligados a partidos da base aliada, como PR e PTB. Na lista estão nomes como o deputado Valdemar da Costa Neto, o ex-deputado Bispo Rodrigues, os assessores Jacinto e Antônio Lamas. o delator do esquema, Roberto Jefferson e o ex-ministro Anderson Adauto. 

A previsão é que o relator termine somente amanhã a leitura de seu voto. Em seguida, será a vez do ministro-revisor, Ricardo Lewandowski, se manifestar, depois os demais ministros votam. Na sessão da última segunda-feira, em que a Corte deu início à análise de acusações contra o chamado "núcleo político" do mensalão, Barbosa disse que a denúncia apresentada pela Procuradoria não deixa dúvidas de que o governo e o PT comandaram um esquema de compra de votos no Congresso.

 Apesar de não ter concluído as sentenças para cada réu, o relator indicou que pretende condenar grande parte dos acusados desta etapa. Ele desqualificou os depoimentos de testemunhas recomendadas pelos advogados de defesa. Segundo o ministro, muitos eram amigos dos réus e não tinham “compromisso de dizer a verdade”.

"No curso da instrução processual obteve-se farta prova documental e testemunhal a confirmar a existência do esquema de cobrança de apoio político. Durante dois anos o Partido dos Trabalhadores distribuiu dinheiro aos parlamentares acusados em momentos e valores distintos", destacou Barbosa.

Leia também:  Vazamento de penas previstas por Joaquim Barbosa foi erro de gabinete

Resultado: Confira o placar com os votos dos ministros no julgamento do mensalão

Também serão julgados nesta fase réus ligados Partido Progressista (PP), Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) e ao Partido dos Trabalhadores (PT).

Na última etapa do julgamento, há dois dias, Barbosa concluiu que os cinco réus ligados ao PP - Pedro Corrêa, Pedro Henry, João Cláudio Genu, Enivaldo Quadrado e Breno Fischberg - cometeram crimes ao participar do esquema conhecido como mensalão. Eles são denunciados por formação de quadrilha para cometer os crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Com Agência Brasil

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG