Juiz veta vídeo usado pelo PT em que ACM Neto ameaça Lula

Campanha de Nelson Pelegrino está proibida de usar imagens extraídas de um vídeo de 2005 em que ACM Neto dizia que daria 'uma surra no presidente da República'

Agência Estado |

Agência Estado

Raul Spinass/Agência A Tarde/AE
Propaganda usa vídeo em que ACM Neto ameaça 'dar uma surra' em Lula

A coordenação de campanha do deputado ACM Neto (DEM) à Prefeitura de Salvador conseguiu na Justiça a retirada de um vídeo e de um áudio usado na propaganda eleitoral do petista Nelson Pelegrino. Nas imagens, extraídas de um discurso que Neto fez na Câmara em 2005, o candidato do DEM dizia que daria "uma surra no presidente da República" - à época, Luiz Inácio Lula da Silva .

Leia mais:  Em Salvador, ACM Neto resgata herança do avô e Pelegrino usa Dilma e Lula

Veja o especial do iG sobre as eleições 2012

As imagens vinham sendo usadas pela campanha do petista Nelson Pelegrino desde a semana passada e a fala de Neto foi citada pelo ex-presidente Lula em comício realizado na capital baiana , na sexta-feira. No palanque, Lula disse que "se esse cidadão (Neto) teve a coragem de dizer que queria bater no presidente, imagine o que ele não vai fazer com um camelô de Salvador."

Na liminar, o juiz eleitoral Paulo Casali Bahia alega "desvirtuamento do contexto" do trecho exibido na campanha petista, para "transmitir ao eleitorado a ideia de que o impetrante seria capaz de praticar atos de agressão contra qualquer pessoa, sem qualquer justificativa ou fundamento".

Comício:  Lula diz querer ir a Salvador para comemorar derrota do DEM

Antes da decisão, ACM Neto vinha ocupando parte de seus pouco mais de cinco minutos de propaganda para justificar a ameaça. "O discurso foi feito sete anos atrás, na época em que eu estava investigando o mensalão e minha família estava sendo ameaçada pelo governo do PT, e eu reagi", disse em seus mais recentes programas eleitorais.

À época, Neto participava da CPI dos Correios e havia a suspeita de que a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) estava monitorando os integrantes da CPI. "Reagi, realmente, de forma indevida, não tinha a experiência que tenho hoje", justificou. "Mas o mais importante é que os réus do mensalão estão sendo julgados e condenados pelo Supremo Tribunal Federal."

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG