Em nota, oposição pede explicações a Lula sobre mensalão

Documento assinado pelos presidentes do PSDB, DEM e PPS afirma que siglas pretendem pedir ao Ministério Público que investigue alegação de que ex-presidente chefiou esquema

Reuters |

Reuters

A oposição pediu nesta terça-feira que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se explique sobre denúncias publicadas na imprensa de que teria sido o "chefe" do chamado mensalão. Em nota assinada pelos presidentes do PSDB, Sérgio Guerra; do DEM, José Agripino Maia; e do PPS, Roberto Freire; os oposicionistas afirmam que pedirão ao Ministério Público que investigue eventual participação do ex-presidente após o julgamento da ação penal sobre o caso no Supremo Tribunal Federal.

Votação: Relator diz que houve compra de votos pelo PT

Saiba mais: Veja a cobertura completa do iG sobre o escândalo do mensalão

Bastidores: Em conversas privadas, Lula nega encontros com Valério

"As revelações feitas pela revista Veja, no fim de semana , sobre o possível envolvimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no comando do escândalo que hoje conhecemos como 'mensalão', exigem explicações imediatas e a apuração por todos os meios legais", afirma a nota que, em seu texto original, grafa o termo "mensalão" com letras maiúsculas.

"Por isso mesmo é que estranhamos o silêncio ensurdecedor do ex-presidente Lula, que deveria ser o maior interessado em prestar esclarecimentos sobre fatos que o envolvem diretamente."

AEMarcos Valério é apontado pela Procuradoria-Geral da República como o operador do esquema do mensalão

Os partidos de oposição afirmam ainda que o julgamento atualmente em curso no Supremo provou a existência do mensalão e que "já não surte mais efeito... a tese defendida pelo PT, de que tudo não passava de uma farsa montada pela imprensa e pela oposição para derrubar o governo Lula".

AE
Marcos Valério é apontado pela Procuradoria-Geral da República como o operador do esquema do mensalão


Na segunda-feira, o STF começou a julgar o item da denúncia do Ministério Público Federal (MPF) que trata de corrupção ativa e passiva e de lavagem de dinheiro, que tem entre os réus o ex-ministro-chefe da Casa Civil José Dirceu, o ex-presidente do PT José Genoino e o ex-tesoureiro da legenda Delúbio Soares.

Durante a sessão de segunda, o ministro relator do caso, Joaquim Barbosa, disse não haver dúvida de que existiu um esquema de compra de votos favoráveis ao governo Lula na Câmara dos Deputados. De acordo com a denúncia do MPF, Dirceu seria o "chefe da quadrilha" do suposto esquema.

Em capítulos anteriores analisados pelos ministros da Corte, já foram considerados culpados o empresário Marcos Valério, apontado como operador do suposto esquema, e o deputado federal João Paulo Cunha (PT-SP), acusado de desviar recursos da Câmara dos Deputados quando presidiu a Casa.

No último fim de semana, a revista Veja publicou matéria afirmando que Valério tem dito que Lula era o "chefe" do suposto esquema . Segundo a reportagem, o publicitário tem dito ainda que se reunia pessoalmente com Lula.

Na nota divulgada nesta terça, os partidos de oposição afirmam que "a gravidade das revelações da revista Veja impõe que ela torne públicos os elementos que sustentam a matéria 'Os segredos de Marcos Valério'".

Denunciado em 2005, o chamado mensalão foi um suposto esquema de desvio de dinheiro público para compra de apoio parlamentar ao governo Lula no Congresso, que se tornou a pior crise política dos oito anos do ex-presidente no poder.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG