'Marcos Valério é um jogador', afirma Roberto Gurgel

Procurador-geral da República diz que novas declarações do publicitário associando Lula ao esquema do mensalão não entrarão na análise que está em andamento no STF

Wilson Lima - iG Brasília | - Atualizada às

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, afirmou no início da tarde desta segunda-feira que deve analisar as declarações atribuídas pela revista Veja ao publicitário Marcos Valério, segundo as quais o operador do mensalão apontou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como “chefe” do esquema. Mas qualquer providência nesse sentido, segundo Gurgel, somente será tomada após o julgamento do mensalão.

Entenda o caso: Veja o especial do iG sobre o julgamento do mensalão

Nova versão: Petistas criticam reportagem em que Valério cita Lula como chefe do mensalão

Alan Sampaio / iG Brasília
O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, disse que novas informações só serão tratadas após o julgamento

As declarações de Valério foram divulgadas pela revista Veja neste fim de semana. Segundo a reportagem, o publicitário afirmou que o PT o transformou em “bandido” e o usou como “boy de luxo”. 

Gurgel classificou como estranhas as declarações de Valério no momento atual do julgamento. Conforme o procurador-geral, durante a instrução do processo, o operador do mensalão nunca colaborou de forma decisiva para as investigações. “Claro que ele é um jogador”, disse Gurgel. 

O procurador-geral insinuou que Valério quer tirar alguma vantagem nesse momento do julgamento. Apesar disso, Gurgel afirma que as novas declarações não vão interferir nesse processo. “Isso pode ser alvo de um outro inquérito”, disse Gurgel. “As declarações dele não podem interferir no julgamento”, complementou.

Caso seja aberto um novo inquérito para investigar essas informações dadas por Valério, o processo iria transcorrer na primeira instância já que o ex-presidente Lula não tem mais prerrogativa de foro.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG