Serra chama de 'absurda' crítica de aliado de Russomanno à Igreja Católica

Marcos Pereira, presidente nacional do PRB, responsabilizou a instituição pelo 'kit gay' e provocou ato de repúdio da Arquidiocese de São Paulo

Rafael Romer |

O candidato tucano à Prefeitura de São Paulo,  José Serra , chamou de “absurdas” as críticas feitas por Marcos Pereira, bispo licenciado da Igreja Universal e presidente nacional do partido de Celso Russomanno (PRB), à Igreja Católica. “Me parece absurda a crítica feita à Igreja Católica, a responsabilizando pelo 'kit gay'. Realmente não tem cabimento”, afirmou o candidato. 

Veja a cobertura completa do iG sobre as eleições de 2012

Leia mais: Braço direito de Russomanno defende artigo sobre ‘kit gay’, alvo de repúdio

Leia também: 'Querem criar uma guerra santa na cidade de São Paulo', diz Haddad

Agência Estado
O candidato à Prefeitura de São Paulo José Serra (PSDB) chamou de "absurdas" as críticas do presidente do PRB à Igreja Católica

O texto publicado no blog de Pereira, em maio de 2011, afirmava que a Igreja Católica tem o "controle das ações do governo, seja federal, estadual ou municipal" e a responsabiliza indiretamente pela distribuição em escolas brasileiras do chamado "kit gay" - material didático de combate à homofobia quando Fernando Haddad era ministro da Educação. 

Em resposta ao artigo de Pereira, a Arquidiocese de São Paulo, a pedido do arcebispo d. Odilo Scherer, publicou uma nota de repúdio ontem em que levanta dúvidas sobre a conduta do PRB em caso de vitória eleitoral e classifica o partido como "manifestadamente ligado à Igreja Universal". E acusa Pereira de fomentar a discórdia.

Nesta sexta-feira, o presidente do PRB não negou os argumentos do artigo sobre o "kit gay", mas disse que suas opiniões refletem "naquele momento, minha liberdade de expressão e livre pensamento, sem qualquer conotação política ou eleitoral". "Lamento que tal exercício de pensamento publicado há um ano e quatro meses seja usado de maneira indevida às vésperas da eleição para a prefeitura de São Paulo", afirmou no blog.

Serra visitou hoje as obras Praça Franklin Roosevelt, no centro de São Paulo. Acompanhado por seu vice, Alexandre Schneider (PSD), e outros tucanos, como o deputado estadual Orlando Morando, o candidato foi recebido por alguns manifestantes com um megafone na entrada: “É muito feio ir em uma obra que não está terminada”, gritaram. O tucano não deu atenção e atribuiu as críticas a “uns petistas com megafone”. A praça teve suas reformas iniciadas em 2010, e será inaugurada no próximo dia 29 de setembro.

Pesquisa: Russomanno sobe quatro pontos; Serra e Haddad mantêm empate técnico

PSDB: ' Nunca estivemos tão bem', diz Sérgio Guerra sobre desempenho do partido

Durante a visita, o candidato não quis comentar os resultados negativos das recentes pesquisas eleitorais. “Eu não comento pesquisa, senão não faria outra coisa”, disse. De acordo com o Ibope, divulgado ontem, Serra oscilou um ponto negativamente, e tem 19% das intenções de voto. O tucano está tecnicamente empatado com Fernando Haddad (PT), que tem 15%.

Revitalização do centro

Após o passeio pela praça, Serra prometeu continuar projetos para revitalização do centro da cidade. “Os próximos passos serão a Praça das Artes, entre o Anhangabaú e a São João, e a restauração de grandes salas de cinema do passado, que vão votar a exibir filmes e shows”, disse.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG