TRE-PR barra divulgação de pesquisa Datafolha em Curitiba

Juiz considerou levantamento "precário" e apontou falta de informações sobre base de dados, grau de instrução e nível econômico dos entrevistados

iG São Paulo |

O Tribunal Regional Elitoral do Paraná impediu nesta terça-feira (11) a divulgação da última pesquisa Datafolha realizada em Curitiba. De acordo com a decisão do juiz Luciano Carrasco, o levantamento se revelou "precário", e não possuia informações sobre a base de dados da amostra coletada nem sobre a origem dos dados relativos ao grau de instrução e nível econômico dos entrevistados.

Veja o especial do iG sobre as eleições 2012

A ação cautelar foi movida pela Coligação Curitiba Quer Mais (PDT, PT e PV), encabeçada pelo candidato à Prefeitura Gustavo Fruet (PDT), para impedir a divulgação dos resultados da pesquisa eleitoral registrada sob o protocolo nº PR-00148/2012, sob pena de multa de R$ 100.000,00.

A decisão suspendeu a decisão do juízo da 1º Zona Eleitoral de Curitiba que havia indeferido o pedido de não divulgação da pesquisa.

Pesquisa anterior

Divulgado em 29 de agosto, o último levantamento Datafolha apontou empate entre o atual prefeito Luciano Ducci (PSB) e Ratinho Junior (PSC), ambos com 27% das intenções de voto. 

Leia também:  Em Curitiba, Ratinho Junior e Luciano Ducci estão empatados com 27%

Gustavo Fruet (PDT) apareceu em terceiro lugar com 20%, enquanto Rafael Greca, do PMDB, teve 8%. Bruno Meirinho, do PSOL, e Carlos Moraes, do PRTB, tiveram 1% da preferência do eleitorado cada.

Fortaleza

Inicialmente barrada pelo juiz eleitoral Mário Parente Teófilo após representação feita pelo candidato Inácio Arruda (PCdoB), a pesquisa de intenções de voto Datafolha na capital cearense teve sua divulgação liberada nesta terça-feira pelo TRE-CE.

Saiba mais:  Moroni oscila para baixo e candidatos de Cid e Luzianne se aproximam

O PCdoB questionou a validade do levantamento por não incluir o nome de seu postulante à Prefeitura de Fortaleza e de outros candidatos nas simulações do cenário eleitoral do segundo turno.

De acordo com a decisão do juiz Francisco Luciano Lima Rodrigues, do TRE-CE, a pesquisa não atentou contra o princípio da isonomia aos candidatos, já que levou em consideração em suas simulações apenas aqueles que, de acordo com o levantamento anterior, tinham chance de chegar ao segundo turno.


    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG