Barbosa pede sessões extras para acelerar julgamento do mensalão

Presidente do STF se disse receptivo à proposta e afirmou que vai discuti-la com os demais ministros 'em momento oportuno'; hoje, o STF realiza sessões segundas, quartas e quintas

Agência Brasil | - Atualizada às

Agência Brasil

O ministro relator do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, questionou nesta segunda-feira (10) a demora para a conclusão do julgamento do mensalão e pediu sessões extras específicas para que o caso não se arraste por muito tempo.

Leia mais:  Relator cita Dirceu e condena nove réus por lavagem de dinheiro 

Vaga no STF: Dilma indica Teori Zavascki para o lugar de Cezar Peluso

STF: Votos de ministros indicam participação direta de José Dirceu no mensalão

"Eu acho que talvez fosse conveniente estudar a possibilidade de sessões extras”, disse Barbosa, ao fim da sessão de hoje, na qual terminou de ler seu voto sobre o capítulo de lavagem de dinheiro, condenando nove dos dez réus .

Em relação aos seus votos, Barbosa disse que já os reduziu o que pôde. “É impossível reduzir mais. Já reduzi demais. Na condição de relator, não posso omitir as informações importantes do voto", afirmou. Outra proposta é que os demais ministros sintetizem mais seus votos, assim como o ministro revisor Ricardo Lewandowiski, principalmente nos pontos em que segue o relator.

Gestão fraudulenta: STF condena três dirigentes do Banco Rural e absolve um

Antes de encerrar a sessão, o presidente do STF, Carlos Ayres Britto, disse que é receptivo à proposta de Barbosa em relação a sessões extras para o julgamento do caso, mas deixará para discutir com os demais ministros no momento oportuno. Ayres Britto se aposenta no dia 18 de novembro, quando completa 70 anos, e não poderá continuar no julgamento, caso ele não termine até lá.

Leia mais: STF conclui 1ª fase e condena João Paulo Cunha também por lavagem

Normalmente, o STF tem sessões plenárias apenas nas quartas e quintas-feiras pela tarde. No início do julgamento da ação, quando os advogados fizeram as sustentações orais, a Corte passou a ter sessões todos os dias da semana. Na etapa seguinte, quando os ministros começaram a votar, manteve-se a sessão extra de segunda-feira.

A proposta de uma sessão extra parte da preocupação dos ministros com a demora no julgamento do processo. Inicialmente, o presidente Ayres Britto previu que o julgamento terminaria no final de agosto, o que não ocorreu.

Até o momento, os ministros analisaram apenas dois dos sete capítulos de acusações que balizam o julgamento: o terceiro, sobre desvio de dinheiro público, e o quinto, sobre gestão fraudulenta de instituição financeira. Nesta segunda-feira, o relator votou o quarto capítulo, que trata de lavagem de dinheiro no núcleo financeiro e no núcleo publicitário, e ainda é necessário colher o voto do revisor e dos demais ministros.

Quando a corte terminar a análise de todos os capítulos, ainda terá que fazer a chamada “dosimetria da pena”, que é ponderar a pena adequada considerando o mínimo e o máximo permitido por lei. Os ministros deixaram esta etapa complexa para o final porque poderão analisar agravantes e atenuantes expostos durante todo o julgamento.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG