Polarização entre PSDB e PT chega ao interior de São Paulo

Municípios com retransmissoras de TV e maior densidade de votos são as prioridades

Rafael Abrantes - Brasil Econômico | - Atualizada às

A corrida eleitoral que começa a acelerar em setembro levará a polarização paulista entre PSDB e PT para municípios distantes da maior metrópole do País. O que está em disputa é, no caso dos tucanos, manter sua hegemonia no estado, iniciada em 1994, e para petistas, a oportunidade de aumentar a máquina partidária em polos importantes do interior.

Levantamento feito pelo Brasil Econômico mostra que das 24 cidades paulistas com mais de 200 mil eleitores (veja abaixo), o PT lançou candidatos a prefeito em 18 e o PSDB, em 13.

Os petistas já comandam Prefeituras de seis destas cidades — Carapicuíba, Diadema, Guarulhos, Mauá, Osasco e São Bernardo do Campo — e os tucanos, em cinco — Sorocaba, São José dos Campos, Piracicaba, Franca e Jundiaí.

Leia mais: Lula convida governadores do Nordeste para ajudar Haddad em São Paulo

Leia também: Serra e Haddad viram alvos em segundo debate na televisão

Neste duelo de “bandeirantes”, o foco de comitês estaduais e líderes partidários se volta para municípios com retransmissoras de TV e maior densidade eleitoral, ou seja, mais votos disponíveis na praça. Cabos eleitorais de peso, como o próprio governador Geraldo Alckmin (PSDB) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), incluíram em suas agendas visitas a algumas regiões, além de horas extras em estúdio para gravar programas eleitorais. Lula deve comparecer ainda em Campinas, São Bernardo do Campo e até em Osasco.

Segundo o secretário-geral do PSDB, Cesar Gontijo, Alckmin vai gravar mensagens de apoio para até cem candidatos da sigla ainda no primeiro turno. Para isso, tem reservado o turno das 22h à meia-noite em frente às câmeras. Outros quadros, como o senador Aloysio Nunes e os secretários estaduais José Aníbal (Energia), Bruno Covas (Meio Ambiente) e Julio Semeghini (Planejamento) também têm viajado pelo estado. A partir de agora, o senador mineiro Aécio Neves (PSDB) dividirá seus compromissos em Belo Horizonte com visitas a Ribeirão Preto, Jundiaí, Guarulhos, Sorocaba, Barretos e São Carlos.

Saiba mais: De olho em 2014, Aécio faz campanha no Sudeste, Nordeste e Sul

Especial iG: Leia todas as notícias sobre as eleições municipais de 2012

“Estamos concentrando esforços nas cem maiores cidades, que representam 80% do eleitorado paulista”, afirma Gontijo. Ele observa que o PSDB quer aumentar de 30% para 40% os votos sob seu comando a partir das 205 Prefeituras conquistadas na eleição de 2008. “A quantidade de votos vale mais do que o número de prefeituras”, diz. Segundo ele, a sigla têm grandes chances de vitória no 1º turno em Franca, Sorocaba, Piracicaba e Jundiaí .

Antagonistas se enfrentam em 8 dos 24 polos paulistas

Ao menos três municípios com mais de 200 mil eleitores têm chance de decisão já no 1º turno

Entre os 24 municípios com mais de 200 mil eleitores no estado de São Paulo analisados pelo Brasil Econômico , tucanos e petistas se enfrentam como cabeças de chapa em oito. Em Taubaté, no Vale do Paraíba, o cenário dá larga vantagem para Ortiz Júnior, do PSDB, em relação ao petista Isaac do Carmo. O tucano tem 44% das intenções de voto contra 10% do rival, segundo pesquisa Ibope divulgada no último dia 30.

A liderança também é isolada em São José dos Campos, mas em ordem inversa. Carlinhos Almeida (PT) apresentava 50% das intenções antes da primeira propaganda na TV, ante 15% do candidato tucano Alexandre Blanco. O atual prefeito e maior cabo eleitoral na cidade, contudo, é Eduardo Cury, correligionário do segundo colocado. Em Diadema, o cenário é parecido. Mário Reali (PT) pode garantir outro mandato ainda no primeiro turno, com 42% das intenções de voto, sobre 4% da tucana Maridite Oliveira. Próximo da capital, em Guarulhos, o prefeito petista Sebastião Almeida tenta a reeleição ante o tucano Carlos Roberto. 

Já no litoral, em Santos, Paulo Alexandre Barbosa (PSDB), com 41% das intenções de voto, tem Telma de Souza, do PT, como oponente mais próxima (17%), de acordo com Ibope. Em Sorocaba, ambos os partidos concorrem com Renato Amary (PMDB). Lá, o atual prefeito, Vitor Lippi (PSDB), se licenciou do cargo para ajudar na campanha do colega de legenda Antonio Pannunzio. Por fim, Duarte Nogueira, deputado tucano, tenta superar a prefeita de Ribeirão Preto, Darcy Vera (PSD), com João Gandini, do PT, logo atrás.

Leia mais notícias sobre política, economia e negócios no Brasil Econômico

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG