Acusado de ser laranja do esquema de Cachoeira fica em silêncio na CPI

André Teixeira Jorge era motorista de Cláudio Abreu, ex-gerente da Delta Construções, foi dispensado da sessão pelo presidente Vital do Rêgo (PMDB)

iG São Paulo | - Atualizada às

Geraldo Magela/Agência Senado
André Teixeira Jorge, ex-funcionário da Delta Construções, evocou o direito constitucional de ficar calado na CPI do Cachoeira

André Teixeira Jorge, que era motorista de Cláudio Abreu, o ex-gerente da empresa Delta Construções no Centro-Oeste, evocou o direito de permanecer em silêncio e foi dispensado pelo presidente da CPI do Cachoeira , senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), da sessão desta terça-feira.

Veja o especial da CPI do Cachoeira

Saiba mais: Deputado tucano alega compromissos ‘inadiáveis’ e não depõe na CPI

Teixeira Jorge obteve da ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), liminar em pedido de habeas corpus.

Ele é apontado pela polícia como integrante da organização. As investigações apontam, ainda, que sua evolução patrimonial e movimentações financeiras são incompatíveis com os rendimentos declarados. Por esse motivo há suspeitas de que ele seja usado como “laranja” pelo grupo.

A Delta Construções é acusada de uma série de irregularidades, inclusive o envolvimento com o esquema de corrupção do contraventor Carlinhos Cachoeira, que está preso desde o dia 29 de fevereiro , acusado de ser o cabeça de um esquema de exploração de jogos ilegais.

Leia também: Deputado Leréia parabeniza Cachoeira pelos 49 anos

Vital do Rêgo também confirmou que o depoimento do deputado federal Carlos Alberto Leréia (PSDB-GO) foi adiado. O tucano enviou um ofício na noite de ontem à comissão , afirmando que havia marcado anteriormente para hoje compromissos pessoas "importantes e inadiáveis".

Ele se colocou à disposição da CPI a partir do dia 18 de setembro. A nova data ainda não foi definida, mas vários parlamentares solicitaram que a vinda do deputado aconteça em outubro.

O presidente da CPI convocou as lideranças dos partidos para uma reunião em seu gabinete às 16h. O objetivo é tentar um acordo para uma reunião administrativa nesta quarta-feira. Esse tipo de reunião só pode acontecer se houver um acordo entre os líderes partidários.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG