Segundo seu advogado, peça rebaterá 'com tintas carregadas' a última petição distribuída pelo procurador-geral da República, mas não terá fatos novos

Agência Estado

Pressionado pelas sentenças e votos duros dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), o ex-ministro José Dirceu vai apresentar uma nova defesa na próxima terça-feira. A peça rebaterá "com tintas carregadas", segundo seu advogado, a última petição de dez páginas distribuída pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel, no último dia 16.

Saiba mais: STF conclui 1ª fase e condena João Paulo também por lavagem de dinheiro

Entenda: Condenação tira Cunha do cenário político por pelo menos 14 anos

José Dirceu é apontado como um dos líderes do esquema do mensalão
AE
José Dirceu é apontado como um dos líderes do esquema do mensalão


Veja como está a votação do julgamento do mensalão

O documento memorial será dirigido aos magistrados, que surpreenderam a defesa de Dirceu quando flexibilizaram a necessidade da "materialidade de provas" na hora de considerar os réus culpados. Será o terceiro memorial entregue aos ministros.

Advogado do ex-ministro chefe da Casa Civil, José Luis de Oliveira Lima afirma que não mudará em nada a linha de defesa do réu, até porque não se pode apresentar nenhum fato novo pelo memorial. "A nova petição vai bater pesado na última, apresentada por Gurgel", adiantou ele ao Estado.

Leia também: Defesa de Gushiken vê "erro de fundamentação" do STF

Saiba mais:  OAB defende advogados que atuam no julgamento do mensalão

O cerne do documento encaminhado ao Supremo pelo procurador-geral foi reiterar a validade de depoimentos de testemunhas como provas para os crimes de formação de quadrilha e corrupção ativa, dos quais Dirceu é acusado.

O discurso de Gurgel tem se mostrado afinado até com o voto de magistrados que eram incógnitas, como a ministra Rosa Weber. Mais nova ministra no STF, indicada pela presidenta Dilma Rousseff, ela patrocinou uma tese que repercutiu na Corte.

Leia mais: Dirceu 'está em paz com a consciência', diz amigo do ex-ministro

iG Entrevista: “Condenação cria precedente perigoso”, afirma defesa de João Paulo

"Nos delitos de poder, quanto maior o poder ostentado pelo criminoso, maior a facilidade de esconder o ilícito. Esquemas velados, distribuição de documentos, aliciamento de testemunhas. Disso decorre a maior elasticidade na admissão da prova de acusação", afirmou.

Irritação

Um interlocutor próximo a Dirceu avalia que a sentença proferida ao ex-deputado não chegou a surpreender. "A surpresa negativa foi a dureza dos votos, mas teremos que esperar o desenrolar do julgamento para consolidar nossas expectativas."

Ele conta que Dirceu alterna momentos de calma e irritação. "Menos pelo julgamento e mais por certas coisas que saem na imprensa, porque ele lê tudo e vê o noticiário da TV".

Outra pessoa próxima diz que o ex-ministro ficou "muito triste com a condenação de João Paulo, porque eles são amigos e também porque é muito difícil para qualquer petista ver um ex-presidente da Câmara ser condenado. "Não era um Zé Mané no partido."

O mesmo companheiro afirma que Dirceu continua sereno. "Mesmo caindo a tese de caixa dois, isso não tem nada a ver com ele, não terá nenhum impacto no julgamento", apostou. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.