Haddad pede inquérito contra prefeitura por violação de prontuário médico

Diagnóstico de motorista que apareceu no programa eleitoral do candidato petista foi divulgado pela Secretaria de Saúde de São Paulo

Ricardo Galhardo - iG São Paulo |

A campanha do candidato a prefeito Fernando Haddad (PT) fez representações ao Ministério Público Estadual e à Justiça Eleitoral pedindo a abertura de inquérito para apurar a suposta violação do prontuário médico do motorista José Machado por parte da Secretaria Municipal de Saúde.

Machado apareceu no programa eleitoral de Haddad reclamando da demora para conseguir uma cirurgia contra catarata em hospital da rede municipal . Em resposta ao jornal “O Estado de S. Paulo”, a secretaria divulgou informações do prontuário médico de Machado como, por exemplo, que o diagnóstico correto do motorista é de pterígio, doença semelhante à catarata.

Leia também: Após transporte, Haddad fala de saúde em programa na TV

Segundo o Conselho Regional de Medicina, médicos e hospitais são proibidos de divulgar dados dos pacientes a não ser em casos extremos.

Além da suposta ilegalidade na violação do prontuário do motorista, a campanha de Haddad acusa a prefeitura de crime eleitoral por uso da máquina pública contra o candidato do PT.

“A insatisfação com a crítica apresentada implicou, aparentemente, no desate de inúmeros ilícitos, a começar pela mobilização de funcionários e bens públicos na busca de apurar suposta ‘inverdade’ vista na propaganda eleitoral. Houve efetivo dispêndio em prol deste desiderato, tanto que a assessoria de imprensa obteve informações precisas sobre o histórico médico do Sr. José Machado, sabendo qual era a doença que lhe acometia e os exames que deveria fazer, o que significa dizer: ou a assessoria de imprensa se deslocou até o hospital que guardava este documento ou mobilizou contingente do hospital para que houvesse a transmissão dessas informações”, argumenta a representação.

Ataques: Kassab afirma que Haddad foi 'péssimo' ministro

A Secretaria de Saúde foi procurada pelo iG por meio de telefonema e email, mas ainda não se manifestou.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG