Comissão colocará Gilmar Morais, acusado de criar empresa fantasma, sobre proteção

Na sessão desta terça-feira (29) a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), que investiga as relações entre o contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira , com agentes públicos e privados, decidiu providenciar segurança para a comerciante Roseli Pantoja e seu ex-marido, Gilmar Morais. Morais teria sido "brutamente" ameaçado em uma ligação telefônica, conforme informou Roseli ontem ao entrar em contato com a CPI.

Acompanhe ao vivo à CPI do Cachoeira

Leia mais: CPI ouve ex-diretor da Dersa e Cavendish, que deve ficar em silêncio

De acordo com o presidente da comissão, o senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), a Polícia do Senado localizou Morais para que a CPI possa ouvi-lo ainda hoje. Ele foi casado por 13 anos com Roseli Pantoja e teria usado o nome dela para abrir empresas de fachada utilizadas pelo suposto esquema Delta/Cachoeira. Gilmar havia informado à comissão que estava disposto a depor, mas temia por sua segurança.

Saiba mais: Líder do PPS diz que uso do Dnit na campanha de Dilma é 'crime eleitoral'

Leia também: Líder do PT nega que tesoureiro pediu a Pagot doação para campanha

Roseli depôs à CPI do Cachoeira no último dia 15 . Ela teve nome foi usado sem sua autorização para a abertura da empresa Alberto & Pantoja Construções - responsável pela movimentação de R$ 60 milhões da organização comandada por Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira. De acordo com seu o depoimento, ela só soube de sua situação pelo que leu na internet. "Eu não trouxe advogado, vim aqui sozinha. Não tenho nenhum envolvimento com essa quadrilha”, afirmou.

Dnit: Pagot admite ter pedido doação de empresas à campanha de Dilma

Com Agência Câmara

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.