PT pede impugnação de candidatura de Geraldo Júlio, do PSB, no Recife

Advogados da coligação que tem o senador petista Humberto Costa como candidato entram com representação contra o nome escolhido pelo governador Eduardo Campos

Agência Estado |

Agência Estado

O clima entre o PT e o PSB na disputa pela Prefeitura do Recife esquentou de vez. Na tarde desta terça-feira (28), os advogados da coligação que reúne PP, PT, PSDC e PHS, encabeçada pelo senador Humberto Costa (PT), entraram com uma ação junto ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) solicitando a impugnação da candidatura do socialista Geraldo Júlio .

Leia mais: Humberto Costa cai para 32%, mas continua líder no Recife

Leia também: Ao usar nome de Dilma, PSB confunde eleitores, diz senador petista

AE
O candidato do PSB à Prefeitura do Recife, Geraldo Júlio, participa da Reunião Amigos 40 ao lado do governador, Eduardo Campos, em julho; atrito com o PT se intensifica às vésperas da eleição

A alegação de abuso de poder econômico tem como base a denúncia de que o governo do Estado, comandado pelo padrinho político de Geraldo, o governador e presidente nacional do PSB, Eduardo Campos , estaria utilizando a propaganda institucional de forma "casada" com a publicidade da campanha municipal, com a intenção de confundir o eleitor. Na ação, os advogados afirmam que "salta aos olhos o descaramento dos que cometeram esse tipo de atitude". "Utilizar a máquina pública em benefício de qualquer candidato é ato que influencia o resultado do pleito e deve ser coibido imediatamente pelo Judiciário com a aplicação das penalidades cabíveis", diz o texto.

São Paulo: PT de Campinas barra uso da imagem de Dilma pelo PSB

Rio Grande do Sul: Manuela é impedida de citar Dilma em campanha na TV

A representação toma como base o artigo 73 da Lei 9.504/97, que trata do comportamento dos agentes públicos nos pleitos eleitorais, proibindo certas condutas para evitar que a igualdade de oportunidades entre candidatos seja afetada.

A assessoria de imprensa de Geraldo Júlio afirmou que não iria se pronunciar até ser oficialmente notificada. A Secretaria de Imprensa do governo estadual também foi procurada, mas alegou que só irá se pronunciar após conhecer o conteúdo da ação.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG