Mulher do governador da Bahia é alvo do Conselho Nacional de Justiça

Maria de Fátima Mendonça, mulher de Jaques Wagner, tornou-se servidora efetiva do Tribunal de Justiça sem fazer concurso e recebe R$ 13.619 por mês

Agência Estado |

Agência Estado

Uma inspeção do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) identificou ocorrência sui generis na cúpula do Judiciário da Bahia. Maria de Fátima Carneiro de Mendonça, enfermeira de profissão, mulher do governador baiano, Jaques Wagner (PT), tornou-se servidora efetiva do Tribunal de Justiça sem fazer concurso público. Recebe salário de R$ 13.619.

Saiba mais:  CNJ cobrará tribunais sobre publicação de salários

Eliana Calmon: Julgamento do mensalão testará 'confiabilidade' do STF

Ainda segundo o CNJ, Fátima seria servidora fantasma. "A mulher do governador é do Tribunal de Justiça, está efetivada lá e ela nunca foi lá", aponta a corregedora Nacional de Justiça, Eliana Calmon. A ministra afirmou que situações como essa evidenciam "a existência de conluio" entre o Executivo, o Judiciário e o Ministério Público da Bahia.

Corregedora defende divulgação imediata de salários do Judiciário

A corregedoria identificou o caso durante inspeção no TJ-BA, realizada em julho. Ao examinar o processo 13.690/2012, o CNJ deparou com "eventual acumulação irregular de cargos públicos" citando Maria de Fátima como ocupante de dois cargos distintos, um no Executivo, como analista, e outro no Judiciário, como assessora de supervisão geral.

Em 5 de fevereiro de 2004, a mulher do governador assumiu cargo comissionado e atualmente está lotada na Coordenação de Assistência Médica.

Leia também: Corregedora alerta para pressões sobre quem investiga corrupção

Saiba mais: CNJ processa desembargadores acusados de golpe de R$ 20 milhões

As assessorias do governador Jaques Wagner e do Tribunal de Justiça do Estado da Bahia negaram irregularidades na contratação da primeira-dama do Estado, Fátima Mendonça. "Talvez a ministra (a corregedora Eliana Calmon, do CNJ) não tenha conhecimento da situação real da servidora (Fátima), que integra o quadro de funcionários do Tribunal há mais de 20 anos e exerce cargo comissionado há quase 14 anos, bem antes de seu esposo ser eleito e assumir o cargo de governador do Estado da Bahia", informou o tribunal, em nota. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG