Ao dar seu parecer, contrário ao do relator Barbosa, ministro se baseou na falta de provas da acusação em crimes como peculato e corrupção passiva

O voto do ministro Ricardo Lewandowski, revisor do processo do mensalão , que pediu a absolvição do deputado do PT João Paulo Cunha, à época presidente da Câmara dos Deputados, e do publicitário Marcos Valério e seus sócios no julgamento desta quinta-feira revelou algumas falhas na denúncia da Procuradoria Geral da República.

Contraponto:  Barbosa diz que fará réplica ao voto de Lewandowski pela absolvição

Leia mais: Lewandowski contraria Barbosa e vota pela absolvição de João Paulo Cunha

Repercussão: Voto de Lewandowski 'lava a alma', diz defesa de João Paulo Cunha

Réu do mensalão: João Paulo Cunha diz que revés não barrará candidatura

Lewandowski vota por absolver João Paulo Cunha
Divulgação STF
Lewandowski vota por absolver João Paulo Cunha

A principal falha apontada pelo ministro Lewandowski é a inexistência do chamado “ato de ofício”, principal elemento comprobatório para caracterizar o crime de corrupção passiva. Pelo Código Penal, para ocorrer a configuração do crime, precisa haver a materialidade de recebimento de vantagem indevida por agente público.

Na prática, Lewandowski afirmou que em nenhum momento João Paulo Cunha aproveitou-se do seu cargo para favorecer as empresas de Valério no contrato com a Câmara dos Deputados. “No caso sob exame, o MP não apontou, nem sequer minimamente, o ato de ofício contrário à lei praticado pelo réu”, afirmou o revisor. “Ressalto que não há na denúncia nenhuma descrição precisa do tratamento privilegiado”, complementou em seguida.

Leia também: 'É tudo mentira', diz Peluso sobre informação de que anteciparia seu voto

Barbosa: Relator pede condenação do petista João Paulo Cunha por três crimes

Lewandowski pede para condenar ex-diretor do BB e Valério por corrupção

Essa argumentação foi a mesma que livrou o ex-presidente Collor da condenação em 1994. Collor também foi acusado do crime de corrupção passiva e foi absolvido pela inexistência de “ato de ofício” e por falta de provas.

Sobre o crime de peculato, o voto de Lewandowski tomou como base a falta de elementos da Procuradoria Geral da República que comprovem eventuais irregularidades nos contratos das empresas de Valério com a Câmara dos Deputados. Lewandowski ainda afirmou durante a votação que, na instrução processual, a Procuradoria não conseguiu levantar provas com as empresas concorrentes que eventualmente comprovassem o suposto direcionamento de da licitação para favorecer a SMP&B, do publicitário.

Cronologia: Relembre os fatos que resultaram no processo do mensalão

Veja o especial do iG sobre o julgamento do mensalão

Advogados assistem ao julgamento do mensalão
Divulgação STF
Advogados assistem ao julgamento do mensalão

Além disso, Lewandowski afirmou também que não houve ilegalidade nas relações entre a empresa Ideias, Fatos e Textos (IFT), acusada de supostamente ter prestado uma assessoria indireta a João Paulo Cunha.

Sem a ocorrência de crimes anteriores, também foi derrubada a outra tese da Procuradoria Geral da República: a de que houve lavagem de dinheiro. Pelo Código Penal, só existe crime de lavagem de dinheiro quando os recursos em questão têm origem ilícita.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.