'Meu pai já foi condenado, destruíram a imagem dele', diz filho de José Dirceu

Deputado Zeca Dirceu afirma que ex-ministro da Casa Civil e sua família passaram por 'sete anos de pancadaria' e criticou 'massacre por parte da mídia'

Agência Estado |

AE
Ex-ministro José Dirceu é acusado de corrupção ativa e formação de quadrilha

Agência Estado

A reclusão adotada pelo ex-ministro José Dirceu desde a aproximação do julgamento do mensalão tem sido reproduzida por sua família e amigos mais próximos para evitar qualquer declaração sobre o escândalo.

Veja o especial do iG sobre o julgamento do mensalão

Mas seu filho mais velho, o deputado Zeca Dirceu (PT-PR), rompeu o silêncio e falou sobre como o réu e sua família estão vivendo esses "sete anos de pancadaria", desde que Dirceu deixou a Casa Civil.

"Meu pai está sendo massacrado. Nada do que acontecer daqui para frente pode ser pior, nem para ele, nem para nós, do que tudo o que passamos nesses sete anos", afirmou Zeca, de 34 anos.

Leia também: Documentos expõem ações de José Dirceu na Casa Civil

Saiba mais:  Defesa de Dirceu faz apelo final ao Supremo Tribunal Federal

Ele ressalta que está mais acostumado com o jogo político - foi prefeito de Cruzeiro do Oeste (PR) por dois mandatos e atualmente é deputado federal -, mas para as duas irmãs, que não são dessa área, está sendo ainda mais difícil de lidar com esta situação. "Elas são novas, uma delas tem 22, a outra tem 24 anos, imagine como fica a cabeça delas?"

Zeca diz que a família está confiante no resultado do julgamento, mas, independente disso, o pai já foi condenado. "Destruíram a imagem dele, que tanto tempo ele levou para construir. O que pode ser pior que isso? É um massacre, inclusive por parte da mídia", aponta. "Ele vive como condenado. E a família sofre junto, eu, minhas irmãs, minha avó de 92 anos, que é a mãe dele."

Leia também: Otimistas, PT, Lula e Dilma fazem pacto de silêncio sobre mensalão

Defesa: Advogado nega compra de votos e diz que não há provas contra Dirceu

A avó, acrescenta, não entende exatamente o que está acontecendo, mas ela lê, assiste aos jornais na TV. "É muito difícil para ela. Traçando um paralelo, a minha avó foi criada na Igreja Católica, ela nunca entendeu essa coisa de guerrilha, da qual meu pai participava", frisa.

Ainda sobre a participação do pai na luta contra a ditadura militar, diz que, passados dez, 20 anos, hoje ter sido engajado nas lutas de guerrilha é até motivo de orgulho nacional, mas teme o impacto das denúncias que agora pesam sobre o pai para sua imagem no futuro. "Essas acusações de agora, daqui a um tempo, vão pesar. Não sei qual será o peso, mas haverá." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo .

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG