Juízes não podem se pautar pela opinião pública, diz Lewandowski sobre críticas

Ministro revisor do processo do mensalão afirma que já esperava 'incompreensões' a respeito de seu voto pela absolvição do petista João Paulo Cunha, mas minimizou pressões

Agência Estado |

Agência Estado

O ministro revisor do processo do mensalão, Ricardo Lewandowski, afirmou nesta sexta-feira (24) que já esperava "críticas" e "incompreensões" por votar a favor da absolvição do deputado federal João Paulo Cunha (PT-SP) no julgamento do mensalão . Ele defendeu que um juiz não pode dar seu voto de acordo com pressões da opinião pública.

Leia mais: Festa em Brasília reúne acusação, defesa e ministro do julgamento

Leia também: Peluso diz que revelará decisão sobre voto na 'hora oportuna'

Saiba mais: Voto de Lewandowski revela falhas na denúncia da Procuradoria

"Eu acho que o juiz não deve ter medo das críticas, porque o juiz vota ou julga com sua consciência e de acordo com as leis, não pode se pautar pela opinião pública", disse Lewandowski após participar de audiência pública no Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o uso do amianto na indústria brasileira.

Leia também: Voto de Lewandowski 'lava a alma', diz defesa de João Paulo Cunha

Conflito: Joaquim Barbosa promete réplica ao voto de Lewandowski

STF / Divulgação
O ministro Ricardo Lewandowski minimizou as críticas que recebeu pelo voto para absolver João Paulo Cunha

O ministro admitiu que seu voto foi um "contraponto" ao do relator Joaquim Barbosa, que tinha defendido a condenação. E disse que essa divergência é positiva para ajudar os outros integrantes do Supremo a decidirem. "Cada juiz tem uma visão muito particular do conjunto de provas que existe no processo. Então, esse contraponto entre relator e revisor ajudará os demais ministros a decidirem o que se contém nos autos."

Especial iG: Saiba tudo sobre o julgamento do mensalão no STF

Lewandowski afirmou que o julgamento poderá ser acelerado nas próximas semanas com a distribuição antecipada dos votos e abreviação das exposições. Ele afirmou ainda não se importar se seu voto vai sair vencedor ou não.

"Nós que vivemos em um ambiente colegiado, nós estamos acostumados a divergir, a ver nossas posições vencedoras ou perdedoras. Isso faz parte. Nós não levamos nada pessoalmente, defendemos teses. Não é a nossa pessoa que está em jogo, o que está em jogo é o destino dos réus", afirmou o ministro revisor.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG