Voto de Lewandowski 'lava a alma', diz defesa de João Paulo Cunha

Para advogado do deputado do PT, voto do revisor pela absolvição coloca as coisas 'nos devidos lugares'

Agência Estado |

Agência Estado

O advogado Alberto Zacharias Toron afirmou nesta quinta que o voto do ministro do Supremo Tribunal Federal Ricardo Lewandowski, revisor do processo do mensalão , que absolveu seu cliente, o deputado federal João Paulo Cunha (PT-SP), de todas as acusações "lava a alma" e põe as coisas "nos devidos lugares". 

Divulgação STF
Durante defesa, advogado de João Paulo Cunha afirmou que réu é inocente e chamou acusações de 'fantasmagóricas'

Acompanhe o especial do iG sobre o julgamento do mensalão

Lewandowski: Revisor vota por absolver João Paulo Cunha

Leia também: João Paulo Cunha diz que revés não barrará candidatura

"Este voto do ministro Lewandowski, ele lava a alma do deputado federal João Paulo Cunha, põe as coisas nos seus devidos lugares e agora vamos esperar os debates entre os ministros do Supremo Tribunal Federal para ver qual voto eles vão sufragar: se o voto do relator, que não traz nenhum fundamento, ou se é este voto ricamente fundamentado pelo ministro Ricardo Lewandowski", afirmou. Diferentemente de Lewandowski, o relator do processo, Joaquim Barbosa, concordou com todos os pedidos de condenação feitos pelo Ministério Público contra João Paulo.

Eleições:  Na TV, Lula não participa de programa eleitoral de réu do mensalão

Ao isentá-lo do crime de corrupção passiva, Lewandowski considerou que a Procuradoria-Geral da República não conseguiu provar que os R$ 50 mil que João Paulo recebeu da agência SMP&B, do publicitário Marcos Valério, foi uma propina que tinha como objetivo favorecê-lo na futura licitação de publicidade institucional da Câmara dos Deputados, presidida à época pelo petista. O ministro aceitou o argumento da defesa apresentado à Justiça de que o dinheiro, recebido pela mulher de João Paulo, Márcia Regina, serviu para bancar pesquisas pré-eleitorais.

Leia também: 'É tudo mentira', diz Peluso sobre antecipação do seu voto no STF

Para o revisor, no caso do primeiro crime de peculato, o petista, apesar de presidente da Câmara, não era o detentor dos recursos da Casa relativos ao contrato com a agência de publicidade. Na visão do ministro, a decisão sobre as liberações cabiam ao diretor-geral e ao diretor de Comunicação da Casa.

    Leia tudo sobre: mensalãojulgamento do mensalãodefesajoão paulo cunhapt

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG