Na TV, Serra 'abraça' Kassab e Haddad usa 'tempo novo' para criticar prefeito

Candidato a vice de Celso Russomanno conta fábula, Gabriel Chalita explora perfil conciliador e Soninha mostra as filhas no horário eleitoral de São Paulo

iG São Paulo | - Atualizada às

Reprodução
Fernando Haddad (PT) percorre diversos pontos da cidade no horário eleitoral

Na estreia do programa eleitoral dos candidatos à Prefeitura de São Paulo na TV, veiculado nesta terça-feira, Fernando Haddad (PT) se mostrou como o "homem novo para um tempo novo" para criticar a atual gestão, enquanto o tucano José Serra citou  o prefeito Gilberto Kassab (PSD), um dos seus principais aliados.

Leia também:  No rádio, Lula apresenta Haddad em programa com críticas a Serra

Em seus poucos mais de sete minutos no horário eleitoral, Haddad jogou com a questão do tempo, prometendo diminuir o tempo que o paulistano perde no trânsito, na fila dos hospitais e para conseguir uma vaga nas creches da cidade. "A prefeitura não acompanhou o ritmo do Brasil não quis e não soube trabalhar com o governo federal e não soube trabalhar com o seu povo", atacou o candidato.

Pela primeira vez protagonizando a própria propaganda no lugar do ex-presidente Lula, Haddad foi apresentado caminhando em vários pontos da cidade, como a avenida Paulista, a periferia e o centro. "A mudança não virá pelas mãos daqueles que governam a cidade há tanto tempo", criticou.

O único momento em que Lula fala no programa de televisão apresentado nesta quarta-feira, ele está ao lado do candidato petista, em frente ao Museu do Ipiranga. "Fernando, este lugar aqui viu nascer a liberdade (...) não é pedir muito que São Paulo garanta a independência de todos os seus filhos. Sei que você pode fazer bastante pelos paulistanos."

Saiba mais: Horário eleitoral no rádio e na TV dá a largada 'para valer' na disputa

Assim como fez na inserção veiculada na terça-feira, Lula lembrou da eleição de Dilma em 2010, época em que ela também era desconhecida do eleitorado. "Pouca gente conhecia ela, mas confiou no que eu dizia e hoje, mais que nunca, o Brasil sabe que votou na pessoa certa."

Haddad fez um ataque indireto ao seu rival tucano, José Serra, ao dizer, por duas vezes, que "São Paulo não quer mais prefeito de meio mandato e nem de meio expediente". Serra vem sendo cobrado de seus adversários por ter abandonado o cargo em 2006 para disputar o governo do Estado.

Já Serra, que também dispõe de pouco mais de sete minutos, apareceu abraçando o atual prefeito Gilberto Kassab e citou seu nome por duas vezes durante sua propaganda. "Quando virei governador, ajudei bastante o prefeito Kassab."

Leia mais: Propaganda na TV é ‘divisor de águas’ nas campanhas eleitorais

Na propaganda de Serra veiculada no rádio, o prefeito não foi citado nenhuma vez - nem mesmo pelos candidatos a vereador de seu partido, o PSD. A rejeição de Kassab, considerada alta, alcançou 43% segundo a última pesquisa Ibope, divulgada na semana passada.

O tucano começou o programa falando de sua paixão por São Paulo e sua história na cidade. "Eu sou filho de pessoa humilde e foi da janela da casinha da Mooca que eu conheci a cidade, e comecei a me apaixonar por ela", narrou o candidato. Serra também afirma que o povo da cidade "é tudo junto e misturado". "Uma gente trabalhadora que não deixa pra depois, que puxa o Brasil e leva o País para frente."

Entre imagens dele empinando pipa e mexendo em seu laptop, Serra explica por que resolveu se candidatar à prefeitura novamente. "Eu tenho uma dívida de gratidão com os paulistanos e tenho também uma identificação muito grande com a cidade de São Paulo, a locomotiva que lidera e puxa nosso País."

Horário eleitoral: Com tempo igual na TV, Serra e Haddad usam tom emotivo na estreia

A apresentação das realizações de Serra quando prefeito da cidade e governador do Estado ficaram a cargo de dois apresentadores jovens. Serra deu maior destaque à área da saúde, e citou a construção do Hospital M'Boi Mirim, o Hospital Tiradentes, o Instituto do Câncer e a Rede Lucy Montoro. Na área dos transportes, foram enumerados o Rodoanel, o expresso Tiradentes e a ampliação do Bilhete Único.

Reprodução
José Serra (PSDB) fala de sua paixão e gratidão por São Paulo

O tucano também explorou o seu sonoro jingle, baseado na música sertaneja 'Eu quero tchu, eu quero tcha', mostrando jovens dançando uma coreografia em diversos pontos da cidade. Foram os apresentadores jovens que também fizeram um ataque indireto a Haddad: "Para ser um bom prefeito o importante não é ser novo. É ter ideias novas."

Líder na última pesquisa divulgada, mas com tempo reduzido na propaganda eleitoral, Celso Russomanno (PRB) usou seus pouco mais de dois minutos para agradecer o eleitorado por seu bom desempenho nas pesquisas de intenção de voto. Segundo o Datafolha, Russomanno passou Serra e figura com 31% das intenções de voto contra 27% do tucano.

Estratégia de campanha: Rivais miram redutos de Russomanno em São Paulo

Apoio da presidenta: Dilma cede a pressão do PT e vai participar de campanhas

Mas quem dividiu o protagonismo do programa foi seu candidato a vice, Luiz D'Urso (PTB), que escolheu contar uma fábula. Segundo o presidente licenciado da OAB-SP, uns meninos tentaram desmoralizar um sábio e, para isso, decidiram colocaram um pássaro entre as mãos e questioná-lo se o animal estava vivo ou estava morto.

"'Se ele responder que está morto, nós abrimos a mão e deixamos o pássaro voar. Se ele disser que está vivo, nós matamos o pássaro'". O sábio, de acordo com a história, disse que a vida do pássaro estava nas mãos dos meninos. "Eu acredito nisso. Está sempre na nossa mão", afirmou D'Urso. "O destino do próximo também está na nossa mão."

Cobertura iG: Acompanhe todas as notícias sobre as eleições municipais

Outros candidatos

Paulinho da Força (PDT) foi um dos candidatos que mais usou do apelo emocional, chegando a embargar a voz ao lembrar da infância de dificuldades e da vida de sindicalista. "Hoje, a vida de trabalhador não está fácil (...) Por isso que eu decidi disputar as eleições de São Paulo", diz.

Gabriel Chalita (PMDB) se mostrou como uma terceira via, capaz de fazer um papel conciliador e negociar tanto com o governo federal da presidenta Dilma Rousseff , quanto com o estadual, de Alckmin. "Nos últimos 12 anos, São Paulo foi dominada por uma disputa entre dois partidos, o PT e o PSDB. Um tentando ocupar o espaço do outro", disse. "Enquanto um tenta ganhar o espaço do outro, quem perde é você."

Em seu tempo reduzido, a candidata do PPS, Soninha Francine, relatou um pouco de sua biografia, enquanto andava pelas ruas da cidade de bicicleta. Afirmou que, como repórter, conheceu diversos problemas da cidade. "Eu amo São Paulo e é por isso que os defeitos dela me irritam tanto", afirmou. "Eu queria fazer mais. Eu fui subprefeita. Conheci mais e mais a máquina pública", disse. Ela também mostrou as filhas, Sarah e Julia, ressaltando que ser vereadora tinha "tudo a ver" com Soninha e que ela é uma pessoa "ecológica".

Horário eleitoral

De acordo com a lei eleitoral, os candidatos a prefeito e vice-prefeito fazem suas propagandas das 7h às 7h30 e das 12h às 12h30 na rádio e das 13h às 13h30 e das 20h30 às 21h na televisão às segundas, quartas e sextas-feiras, até o dia 4 de outubro. Os candidatos às câmaras municipais dispõem do mesmo tempo às terças, quintas e sábados.

Ontem, na veiculação da propaganda dos candidatos a vereador, os postulantes à Câmara Municipal fizeram duras críticas à atual gestão e citaram o ex-presidente Lula e a atual mandatária, Dilma Rousseff.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG