Patrus, do PT, corre atrás do prejuízo em Belo Horizonte

Candidato entrou atrasado na campanha e está usando agenda para gravar propaganda

Pedro Venceslau - Brasil Econômico | - Atualizada às

AE
Patrus Ananias entrou tarde na campanha e tem agora que correr atrás do prejuízo

O candidato do PT em Belo Horizonte, Patrus Ananias , está sofrendo os efeitos colaterais de ter entrado tão tarde na disputa da capital. Ao contrário do prefeito Márcio Lacerda (PSB), que disputa a reeleição, ele precisou montar seu palanque às pressas no limite do prazo estipulado pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) depois da implosão do acordo com o socialista. Resultado: precisou se trancar no estúdio para gravar programas em vez de fazer campanha na rua e dar entrevistas.

Minas Gerais: Lacerda se mantém líder em Belo Horizonte

Horário eleitoral:  Propaganda na TV é ‘divisor de águas’ nas campanhas eleitorais

Rio: Marcelo Freixo apostará em 'Tropa de Elite' para chegar ao 2º turno com Paes

Não por acaso, o petista não teve tempo de falar com a reportagem do Brasil Econômico. Já o prefeito Márcio Lacerda contou sua estratégia. “Apresentaremos ações que foram iniciadas na cidade e serão continuadas. Outras terão início no nosso novo mandato”. O prefeito conta com 14min19s e 28 inserções de 30 segundos ao longo do dia na programação da TV aberta. Já Ananias tem 8min22s e 16 inserções.

Justiça eleitoral: Mudança do TSE dá mesmo tempo de TV a Serra e Haddad

Cobertura iG: Acompanhe todas as notícias sobre as eleições municipais

“A propaganda do Márcio Lacerda equivale a dos maiores anunciantes do Brasil, como a Casas Bahia. Usaremos esse tempo para apresentar a ideia de inovação na continuidade”, conta o presidente estadual do PSDB, deputado federal Marcus Pestana. A coligação de Lacerda foi a que apresentou com mais detalhes sua prestação de contas. O programa de TV vai consumir R$ 281 mil. “Na TV e no rádio, nosso foco será nas propostas que compõem o nosso programa de governo. A propaganda eleitoral tem grande importância, sem dúvida”, diz o prefeito.

Para o sociólogo Carlos Novaes, o problema em Belo Horizonte é que os dois candidatos são muito conhecidos. “Quem tiver mais repertório, leva”. A propaganda de Patrus, entretanto, será uma das poucas do Brasil que contará com a presidente Dilma Rousseff.

Leia mais notícias sobre política, economia e negócios no Brasil Econômico .

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG