Para procuradora da República, grupo de Cachoeira continua 'vivo e operando'

Em depoimento à CPI, Léa Batista de Oliveira afirmou que silêncio dos depoentes na comissão é prova de que a organização do contraventor ainda está ativa

iG São Paulo | - Atualizada às

Em depoimento à CPI do Cachoeira nesta terça-feira (21), a procuradora da República responsável pela operação Monte Carlo, Léa Batista de Oliveira, afirmou a organização criminosa comandada pelo contraventor Carlinhos Cachoeira não foi desarticulada e continua ativa, apesar de seu chefe estar preso.

Léa comparou o grupo de Cachoeira a uma máfia, com hierarquia e organização próprias. "O certo é que a operação desvelou uma máfia, uma sociedade bem estruturada, mais lucrativa que uma grande empresa. Um grupo profissionalizado, estável, permanente e habitual, montado para o cometimento de crimes de natureza grave. A sua existência por mais de uma década foi suficiente para montar uma estrutura estável e entranhada no seio do Estado”, disse Léa Batista.

Leonardo Prado/Agência Câmara
Para a procuradora da República, "silêncio orquestrado" de depoentes é prova de que organização continua na atividade

Acompanhe as últimas notícias da CPI do Cachoeira

Segundo ela, a atividade do grupo fica clara pela estratégia de "silêncio orquestrado" adotada pelos acusados e pelas ameaças a autoridades. Lea afirma que experiências anteriores mostram que, normalmente, membros de organizações criminosas aceitam colaborar com as investigações em troca de reduções de pena, mas isso não acontece com integrantes do grupo de Cachoeira. "Ninguém fala nada, é um código de silêncio, todos são leiais ao chefe da organização”, afirmou.

A procuradora relatou também três episódios em que recebeu ameaças que poderiam ser ligadas ao grupo: dois e-mails que diziam que "eu e minha família corríamos risco", enviados de Anápolis (GO), "reduto" do grupo de Cachoeira, a tentativa de uma mulher de entrar em seu apartamento às 5h45 e um episódio em que um dos seguranças identificou uma marcação no veículo usado por ela.

“Tivemos que alterar totalmente a nossa rotina e isso faz com que nossas famílias passem a absorver. Não é segurança para nós, membros do Ministério Público, mas também para nossas famílias”, disse Daniel Rezende Salgado, procurador da República que também depôs à CPI nesta terça-feira

Entretando, Léa acredita que a estratégia não atrapalhará as investigações. "Na ação penal, esse código de silêncio não vai interferir porque foi uma investigação muito bem feita, temos filmagens. Eles podem exercer o direito constitucional, mas isso não vai influenciar na ação penal", completou.

Leia também: CPI decide reconvocar Carlinhos Cachoeira para depor

De acordo com Lea, é necessário atingir o núcleo empresarial da organização para que ela pare de funcionar. “Enquanto não conseguirmos sufocar essa organização, em termos financeiros, ela vai continuar atuando, independentemente de o chefe estar preso ou não”, disse.

Leia mais: Ex-presidente do Detran-GO e sócia de empresa fantasma comparecem à CPI

Para Salgado o vazamento de informações sobre as investigações foi responsável pela falha das investigações em atuar sobre o nível empresarial. "A antecipação da Operação Monte Carlo, em razão do vazamento de informações, fez com que deixássemos de investigar outras áreas. Tinha uma parte empresarial do grupo criminoso e não conseguimos investigar. Temos um material bruto que precisa ser submetido a análise", explicou.

Violência: Grampos da PF envolvem Cachoeira em suspeita de sequestro

Saiba mais: STJ autoriza investigação sobre relação de Perillo com Cachoeira

A procuradora Léa lembrou ainda que, no início deste ano, as escutas telefônicas mostraram que integrantes da quadrilha haviam descoberto que estavam sendo investigados. Sabiam o nome da operação da PF e a Vara Federal responsável pelas investigações, por isso foi preciso antecipar a deflagração da operação Monte Carlo. “O juiz responsável pelo caso ficou vulnerável e, por isso, tivemos de deflagar a operação antes da hora”, afirmou.

Com Agência Câmara, Agência Senado  e  Agência Brasil

    Leia tudo sobre: cpi do cachoeiracpicarlinhos cachoeira

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG