Candidato do PRB tem pouco mais de 2 minutos na TV, contra quase oito dos adversários

Além do pouco tempo na TV, as estatísticas pesam contra o candidato do PRB, Celso Russomanno . As últimas cinco eleições municipais em São Paulo contaram com um candidato do PT no segundo turno. E em 2008, 80% dos eleitos tinham mais tempo de TV nas capitais. “Mas é possível que José Serra não chegue ao segundo turno. Dessa vez não há polarização. A eleição está mais aberta que as outras. São quatro candidatos competitivos em São Paulo”, pondera o cientista político Aldo Fornazieri, da Escola de Sociologia e Política de São Paulo.

Horário eleitoral: Com tempo igual na TV, Serra e Haddad usam tom emotivo na estreia

Rio: Marcelo Freixo apostará em 'Tropa de Elite' para chegar ao 2º turno com Paes

Justiça eleitoral: Mudança do TSE dá mesmo tempo de TV a Serra e Haddad

Cobertura iG: Acompanhe todas as notícias sobre as eleições municipais

Celso Russomanno participa de caminhada na Praça da Sé, no centro de São Paulo
Futura Press e AE
Celso Russomanno participa de caminhada na Praça da Sé, no centro de São Paulo

“O Russomano está em desvantagem porque tem menos inserções ao longo do dia do que Serra, Chalita e Haddad. Há uma correlação grande entre tempo de TV e votos", rebate Carlos Melo, professor de ciência política do Insper.

Além de menos tempo na TV, Russomanno não tem padrinhos tão fortes como seus adversários para apresentar na TV. “Isso não será problema. Ele tem mais intimidade que os adversários com a TV e passará sua mensagem em 2min11s”, minimiza o deputado Marcos Pereira, presidente do PRB.

Biografia e UNE

O ex-governador José Serra deve começar sua campanha na TV da mesma forma que nas eleições anteriores. Apesar de ser amplamente conhecido, ele lembrará em seus 7min39s sua militância na UNE (União Nacional dos Estudantes), apresentará o jingle de campanha e contará sua história de vida na cidade.

Segundo informação do portal iG , o governador Geraldo Alckmin e o prefeito da capital Gilberto Kassab devem aparecer no programa do PSDB até o final da semana. Já o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso ficará de fora e não deve aparecer até o fim (veja coluna Mosaico na página 3).

Colado em Lula

A estratégia de Fernando Haddad na TV será usar intensamente a imagem de Lula para tentar repetir o fenômeno que elegeu Celso Pita em São Paulo na eleição de 1996. Naquela eleição, o candidato era desconhecido, mas venceu graças ao padrinho Paulo Maluf. Em tempo:para chegar aos 7min39s, tempo igual ao de José Serra, o petista precisou fechar uma aliança justamente com Paulo Maluf.

A primeira semana será usada para apresentar o candidato. Nas seguintes, os petistas esperam contar com um reforço, a presidente Dilma Rousseff. O candidato do PMDB, Gabriel Chalita, faz mistério sobre sua estratégia na TV. Mas ele deve contar com Michel Temer.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.