Adversários de Paes lutam contra desequilíbrio de tempo no Rio

Marcelo Freixo, Rodrigo Maia e Otavio Leite investem em fórmulas diferentes para atrair eleitor com tempos de televisão 4 vezes menores que do atual prefeito Eduardo Paes

Pedro Venceslau e Rafael Abrantes - Brasil Econômico | - Atualizada às

Na capital fluminense, a disputa por votos na propaganda eleitoral na TV começa hoje com enorme vantagem para o prefeito Eduardo Paes (PMDB), no que se refere ao tempo de exposição. O peemedebista concorre à reeleição com 16 minutos e 17 segundos disponíveis para apresentar os feitos da atual administração e novos projetos até 2016, às segundas, quartas e sextas-feiras.

Horário eleitoral: Com tempo igual na TV, Serra e Haddad usam tom emotivo na estreia

Rio: Marcelo Freixo apostará em 'Tropa de Elite' para chegar ao 2º turno com Paes

Justiça eleitoral: Mudança do TSE dá mesmo tempo de TV a Serra e Haddad

Cobertura iG: Acompanhe todas as notícias sobre as eleições municipais

Sua coligação com 20 partidos, incluindo PT e o ex-presidente Lula, deve garantir a Paes também, segundo analistas, a “liderança de audiência” na cidade nos próximos 45 dias. Adversários agora esperam reverter tal favoritismo, mesmo que legendas históricas de oposição como PSDB e DEM pareçam nanicos perto do espaço televisivo do prefeito. Rodrigo Maia, candidato democrata, tem o segundo maior tempo na TV: 3 minutos e 42 segundos — e a terceira posição na preferência do eleitorado carioca (5%), segundo a última pesquisa Ibope.

Rio: Eduardo Paes segue na liderança e Freixo sobe, diz Ibope

Em seu programa de estreia, amanhã, Maia mostrará sua biografia pessoal e política. O pedido por votos na telinha, porém, já começa hoje. Seu pai, o ex-prefeito Cesar Maia, é candidato a vereador e se ocupará em sua propaganda em relembrar o sobrenome aos eleitores. “Ele vai falar por mim e por ele, três vezes por semana”, afirma Rodrigo. Com este benefício, Rodrigo ainda discute com o marqueteiro Fabiano Ribeiro a hora certa de iniciar gravações lado a lado com o pai. “Meu pai vai aparecer se acharmos necessário”, diz. Ele releva, contudo, o papel de “puxador de votos” do pai no horário eleitoral gratuito. “Ninguém vai terceirizar votos.”

Otavio Leite (PSDB) não negou o uso do “alto tucanato” para tentar elevar sua intenção de votos — hoje em 3%, segundo Ibope. O senador mineiro Aécio Neves, o governador de São Paulo Geraldo Alckmin e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso estão confirmados em seu primeiro programa. “Eles pedem votos ao meu lado. Vamos mostrar que o PSDB tem candidatos no Rio há doze anos”. Uma linha do tempo e o slogan “O homem é o produto da sua história” também serão destaques, além de propostas para saúde e educação.

Com uma campanha “franciscana” — ou seja, de poucos recursos — Leite conta que não teve preocupação em “copiar” qualquer estratégia ou técnicas de gravação. Ele admite, contudo, atenção especial da sua equipe ao “case” Germano Rigotto, eleito governador do Rio Grande do Sul em 2002, após registrar 2% das intenções de voto no início da campanha.

Favorito para chegar ao segundo turno com Paes, Marcelo Freixo (PSOL) promete fazer da propaganda eleitoral uma reprodução do sucesso de bilheteria Tropa de Elite 2. Presidente da CPI das Milícias em 2008, o candidato foi a inspiração do personagem e deputado Diogo Fraga. Já o diretor do longa, Alexandre Padilha, orienta seu programa na TV.

“A ideia é mostrá-lo usando o Tropa de Elite e a CPI das Milícias, que muitas pessoas conhecem”, explicou ao iG Renata Stuart, coordenadora de comunicação da campanha. Artistas da música como Chico Buarque e Caetano Veloso, e estrelas globais também estarão dividindo o tempo de TV com Freixo: 1 minuto e 22 segundos.

Leia mais notícias sobre política, economia e negócios no Brasil Econômico .

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG