Defesa de réus do mensalão cobra do STF explicações sobre voto fatiado

Advogados protocolam hoje pedido no gabinete de Ayres Britto e reclamam que o formato fatiado do julgamento é uma 'aberração' e uma 'segmentação alienígena'

iG São Paulo |

Advogados de defesa de réus na ação penal do chamado mensalão protocolam nesta segunda-feira no gabinete do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ayres Britto, uma petição cobrando explicações sobre  o fatiamento da votação do processo, que chamam de "segmentação alienígena", formato proposto pelo relator, ministro Joaquim Barbosa.

Mensalão: Primeiras decisões do julgamento podem sair nesta 2ª

Leia também: Revisor lê seu voto e deve fazer contraponto a Barbosa no mensalão

"Os subscritores da presente requerem elucidação sobre o rito a ser adotado nas próximas sessões plenárias: ordem de votação, roteiro a ser seguido, momento de votação do cálculo de penas, se houver etc.", pedem os advogados no documento.

STF: Barbosa inverte capítulos e altera sequência de julgamento do mensalão

Mensalão: Barbosa vence queda de braço no STF e julgamento será fatiado

Eles reclamam que o formato, que apresenta resistência de ministros da Corte, vai contra o "devido processo legal" e é uma "aberração"."Nenhum magistrado brasileiro diz 'condeno' sem dizer a quê e a quanto", argumentam. As defesas também mencionam o que consideram ser privilégios do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, que representa a acusação e, portanto, deveria estar no mesmo patamar que as defesas.

Veja o especial do iG sobre o julgamento do mensalão

Cronologia: Relembre os fatos que resultaram no processo do mensalão

Na quinta-feira, Gurgel recebeu o voto parcial lido pelo relator ao mesmo tempo que os demais ministros, enquanto a defesa só teve acesso ao voto horas mais tarde.

"Queremos garantir à defesa o mesmo direito que o procurador-geral, ou seja, a acusação, está tendo", disse à Reuters o advogado Juca Lima, que defende o ex-ministro-chefe da Casa Civil José Dirceu.

Decisão: Ministros do STF anulam processo de um dos réus do mensalão

Balanço: Ao STF, 25% dos réus do mensalão já admitiram caixa 2

Acusado de formação de quadrilha e corrupção ativa, Dirceu renunciou ao cargo que ocupava no governo Lula, na esteira do escândalo provocado pelo suposto esquema que envolveria o desvio de recursos públicos e compra de apoio da base aliada no Congresso.

Segundo Lima, a petição é mais formal do que a intervenção feita na quinta-feira pelo advogado José Carlos Dias, que foi à tribuna após o voto do relator para manifestar a indignação e a "perplexidade" da defesa com o formato escolhido por Barbosa, que acabou sendo acolhido pelos demais ministros, conforme indicou Britto na sexta-feira.

A petição chega a citar a manifestação do ministro Marco Aurélio Mello, que chamou de "voto capenga" a metodologia escolhida, e o fato de que o fatiamento deve fazer com que o ministro Cezar Peluso vote apenas parte da ação, já que se aposenta compulsoriamente em 3 de setembro, quando completa 70 anos.

Com Reuters

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG