Haddad atribui crescimento em pesquisa à militância do PT

Candidato do PT à Prefeitura de São Paulo subiu de 6% para 9% das intenções de voto e agora ocupa o terceiro lugar de forma isolada, atrás de José Serra e Celso Russomanno

Ricardo Galhardo - iG São Paulo | - Atualizada às

Agora terceiro colocado, de forma isolada, na corrida pela Prefeitura de São Paulo, com 9% das intenções das intenções de voto, segundo pesquisa Ibope divulgada nesta quinta-feira (16), o candidato do PT, Fernando Haddad , atribuiu à militância do partido seu crescimento de três pontos percentuais em relação ao último levantamento (tinha 6%).

Leia mais: Russomanno venceria Serra no 2º turno, diz Ibope

Repercussão: 'Não se ganha eleição por antecipação', diz Russomanno

A pesquisa mostrou empate técnico entre José Serra (PSDB) e Celso Russomanno (PRB) na liderança, ambos com 26%. Em um eventual 2º turno entre os dois, Russomanno bateria o tucano por 42% a 35% .

Alex Silva/Agência Estado
O candidato do PT, Fernando Haddad, conversou com alunos da Faculdade de Direito da USP: três pontos percentuais a mais em pesquisa

“A minha militância do PT é a única explicação. Talvez a campanha dos vereadores”, afirmou o ex-ministro da Educação, que não encontrou nenhuma explicação política para seu crescimento. Segundo Haddad, os números refletem o desejo da população paulistana pela mudança.

Leia também: Dilma cede a pressões e vai participar de campanhas eleitorais

Saiba mais: Haddad lança plano de governo com proposta de 'arco do futuro'

“Eu tinha a expectativa de chegar ao horário eleitoral [que começa no dia 21 de agosto, terça-feira da próxima semana] com algo em torno desse patamar”, disse o petista nesta quinta, logo após participar de um debate com alunos da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP), no Largo São Francisco.

Na avaliação de Haddad, a propaganda eleitoral na TV e no rádio vai torná-lo mais conhecido junto ao eleitorado, que terá mais condições de formar seu voto. “Esse desejo de mudança vai se expressar mais claramente quando o eleitor tiver todos os instrumentos”, disse.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG