PT e PMDB selam acordo que dá comando da Câmara a peemedebista em 2013

Presidentes nacionais dos dois maiores partidos da base governista formalizaram o acerto para que Henrique Eduardo Alves (RN) seja apoiado na eleição da Casa no ano que vem

Agência Brasil | - Atualizada às

Agência Brasil

Os presidentes nacionais do PT, Rui Falcão, e do PMDB, senador Valdir Raupp (RO), selaram na noite desta quarta-feira (8) um acordo para que os dois partidos apoiem um peemedebista para a presidência da Câmara na eleição que ocorrerá no inicio de fevereiro de 2013. O pré-acordo entre os partidos foi feito por ocasião da eleição do petista Marco Maia (RS) para a presidência da Câmara no ano passado. O nome do PMDB deve ser o deputado Henrique Eduardo Alves (RN). 

Leia mais: Comissão faz acordo para votar parte dos destaques da MP do Código Florestal

Eleição: Ex-presidente Lula grava participação em programa de Haddad

Leia também: Liberado por médicos, Lula começa a reforçar campanha do PT

Agência Estado
Deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB) deve ser o nome indicado para presidir a Câmara a partir de 2013

No pré-acordo, ficou estabelecido que nos dois primeiros anos dessa legislatura, a Câmara fosse presidida por um petista e nos dois anos finais por um peemedebista. Na reunião, em que esteve presente o vice-presidente da República e presidente licenciado do PMDB, Michel Temer , compareceram também diversas lideranças das duas legendas, os presidentes dos partidos confirmaram que o acordo será respeitado.

“Se fez uma reunião para ratificar um acordo que já estava escrito e assinado por mim e pelo então presidente do PT, José Eduardo Dutra. O presidente do PT [Rui Falcão] achou melhor ratificarmos o documento para não deixar dúvidas de que a próxima presidência da Câmara dos Deputados será de um candidato do PMDB”, disse Temer. Ele negou que houvesse riscos de o acordo ser quebrado e ressaltou que, nas últimas eleições, os dois partidos têm se revesado na presidência da Casa.

Já o presidente do PT disse que a ideia é evitar especulações sobre o acordo. “Sacramentamos o acordo de que o PT irá apoiar o candidato do PMDB”, afirmou. Falcão ponderou, no entanto, que o acordo não vale para a disputa pela presidência do Senado.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG